O prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda (PSB), não respondeu aos apelos do seu partido para que saia candidato ao governo de Minas. Mediante a ausência de manifestação do socialista, o comando do PSB decidiu estender o prazo para que o prefeito tome uma decisão. O governador de Pernambuco e presidente nacional da legenda, Eduardo Campos, pediu a Lacerda que lhe comunicasse sobre a possibilidade de se candidatar até o fim do mês de maio. Na última sexta-feira (31), lideranças informaram que o prefeito ainda não tinha encaminhado uma resposta.

O deputado federal e líder do PSB na Câmara, Beto Albuquerque (RS), decidiu amenizar a situação. “Não tem sangria desatada, nem pressão para que o Marcio Lacerda tome uma decisão. Ninguém vai tomar as rédeas para pressionar o prefeito.acerda foi convidado e é a preferência do partido. Então, vamos aguardar”, minimizou. De acordo com o líder, a legenda irá esperar, sem definir uma data, a decisão do mineiro.

Os deputados federais Júlio Delgado (MG) e Márcio França (SP) confirmaram o prazo dado pela legenda, que terminou na última sexta-feira (31). Ambos informaram que não havia notícia da manifestação do prefeito. “Se ele não quiser, temos nomes do partido, como Júlio Delgado, e outros novos que podem entrar (na legenda)”, afirmou França.

Segundo ele, uma das opções poderia ser o deputado federal Leonardo Quintão, insatisfeito no PMDB. O parlamentar declarou que manteve conversas com Campos. Porém, nos bastidores, existe uma insatisfação recente de socialistas e membros de outras legendas, com a atuação de Quintão na Câmara, especialmente no que diz respeito à votação da Medida Provisória dos Portos. Ele atuou, junto ao deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RS), apresentando uma emenda que beneficiava empresas que já exploram portos brasileiros. A medida ficou conhecida como “emenda tio patinhas”. “Quintão saiu queimado”, diz uma liderança.

Palanque

Em Minas, Campos quer fortalecer o palanque para sua candidatura presidencial, em 2014. Por isso, quer um nome eleitoralmente viável para disputar o governo estadual.acerda é tido como o quadro que mais influenciaria na campanha do pernambucano. O problema é que se recusa a aceitar a empreitada.

Ao anunciar o secretariado, em fevereiro deste ano, o prefeito chegou a dizer que, enquanto fosse senhor do seu destino, não se candidataria, porém, deixou brechas para mudar de opinião, caso sofresse pressão exacerbada da legenda.

A recusa de Lacerda tem irritado lideranças e provocado mal estar dentro da sigla.