Presa por suspeita de envolvimento na morte do filho Henry Borel, de 4 anos, a professora Monique Medeiros Costa e Silva foi diagnosticada com Covid-19. O menino, que morreu em 8 de março, apresentava sinais de agressão.

Segundo a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) do Rio de Janeiro, após solicitar atendimento médico, Monique foi encaminhada nesta segunda-feira (19) ao Hospital Penal Hamilton Agostinho, no complexo de Gericinó, em Bangu, zona Oeste do Rio. No local, foi confirmada a doença causada pelo novo coronavírus. A detenta ficará internada para fazer o acompanhamento médico, informou a Seap.
 

Monique

 Monique foi encaminhada nesta segunda-feira(19) ao Hospital Penal Hamilton Agostinho

Monique estava presa desde 8 de abril no Instituto Penal Ismael Sirieiro, em Niterói, na Região Metropolitana do Rio. Ainda no presídio de Niterói, onde teve o primeiro atendimento, Monique fez um exame rápido para verificar se estava com a doença. Diante do resultado, foi feita a transferência e, conforme a Seap, vai permanecer em Bangu para receber o tratamento.

Inquérito

As investigações sobre o crime indicaram que a criança sofria agressões do namorado de Monique, o vereador Jairo Souza Santos Júnior (sem partido), conhecido como Dr. Jairinho. Monique, Henry e Jairinho em um condomínio da Barra da Tijuca.

Com uso do software israelense Cellebrite Premium, a Polícia Civil recuperou mensagens do celular de Monique trocadas em 12 de fevereiro com a babá Thayná Ferreira, nas quais esta revela que o menino estava sofrendo agressões de Jairinho, que o tinha trancado no quarto do casal. Em 8 de março, as torturas durante a madrugada provocaram a morte da criança.

O vereador também foi preso em 8 de abril e está no Presídio Petrolino Werling de Oliveira, Bangu 8. Jairinho foi apontado como assassino do menino pelo delegado titular da 16ª DP, Henrique Damasceno, que preside as investigações. O casal é suspeito do crime de homicídio duplamente qualificado e tortura.

O delegado disse que não acredita na possibilidade de a mãe ter sofrido ameaças para deixar de relatar as agressões. Segundo Damasceno, não faltaram oportunidades para ela falar à polícia sobre a tortura praticada pelo namorado.

Leia mais:
Braga Netto prega união contra iniciativas de desestabilização
Bolsonaro nomeia presidente e diretores do BC para mandatos fixos