O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou o pedido da defesa de Andrea Neves para que o seu caso fosse desmembrado do processo do irmão, o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG), e enviado à Justiça de São Paulo.

Na peça, o advogado Marcelo Leonardo pedia também a revogação da prisão preventiva de Andrea, decretada no dia 18 de maio, durante a Operação Patmos.

Na decisão, o ministro afirma que enviar ou não o caso à primeira instância não iria "influenciar a definição da questão de fundo", isto é, "a manutenção ou revogação da prisão preventiva implementada em desfavor da requerente".

O argumento da defesa de Andrea é que, como ela não tem a prerrogativa de foro, não deveria ser julgada pelo Supremo.

A Primeira Turma do STF deve voltar a discutir a prisão de Andrea nesta terça-feira. Antes do início do julgamento, Marco Aurélio disse que havia "gente arrependida" de não ter concedido a liberdade de irmã de Aécio na semana passada.

O colegiado também deve julgar o pedido de prisão do senador tucano e a questão relativa ao seu afastamento da função parlamentar.

Leia mais:
Após revés no STF, irmã de Aécio pede para ser julgada pela primeira instância
Enquanto prisão de Andréa Neves completa um mês, STF nega recurso de Aécio
Primeira Turma do STF decide manter prisão preventiva de Andrea Neves