Em acareação com o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, o doleiro Alberto Youssef negou nesta terça-feira, 25, que esteja protegendo em sua delação premiada o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Não estou protegendo Lula, não o conheço, não tenho por que protegê-lo", declarou.

Youssef disse hoje que não se lembrava de ter citado na delação premiada o ex-presidente no episódio envolvendo a agência de publicidade Muranno Marketing Brasil. À Justiça Federal, o doleiro afirmou que Lula teria dado uma ordem em 2010 ao então presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, para que ele resolvesse uma pendência com a agência de publicidade suspeita de integrar o esquema de corrupção na Petrobras.

Sobre o episódio, Costa disse à CPI que foi chamado por Gabrielli para resolver um problema da Muranno e que acionou Youssef para buscar uma solução. Costa afirmou que desconhecia ser um pedido de Lula.

Um dos destaques da acareação até o momento foi quando Youssef disse desconhecer o ex-ministro Antônio Palocci, mas afirmou que um outro delator ainda vai esclarecer o suposto pedido feito pelo petista por recursos provenientes de propina para a campanha da presidente Dilma Rousseff em 2010. "Vou me reservar ao silêncio porque existe uma investigação nesse assunto do Palocci e logo vai ser revelado", respondeu. Costa reiterou que o repasse foi feito.