O MDB criticou ferrenhamente, nesta quinta-feira (21), a prisão do ex-presidente Michel Temer. A detenção foi feita por ordem do juiz Marcelo Bretas, responsável pela operação "Lava Jato" no Rio, e tem relação com a delação de Lúcio Funaro. O ex-ministro Moreira Franco também foi preso.

"O MDB lamenta a postura açodada da Justiça à revelia do andamento de um inquérito em que foi demonstrado que não há irregularidade por parte do ex-presidente da República, Michel Temer e do ex-ministro Moreira Franco. O MDB espera que a Justiça restabeleça as liberdades individuais, a presunção de inocência, o direito ao contraditório e o direito de defesa.", afirma a nota do partido.

No ano passado, Funaro entregou à Procuradoria-Geral da República informações complementares do seu acordo de colaboração premiada. Entre os documentos apresentados estão planilhas que, segundo o delator, revelam o caminho de parte dos R$ 10 milhões repassados pela Odebrecht ao MDB na campanha de 2014.

O advogado Eduardo Carnelós, que defende Michel Temer, afirmou que a prisão do ex-presidente "é uma barbaridade".

*Com Estadão Conteúdo.

Leia mais:
 
 

*Com Estadão Conteúdo