Faltando pouco mais de um ano para as eleições, o namoro entre o Novo do governador Romeu Zema e o PSDB, que recentemente abrigou de novo o vice-governador Paulo Brandt, parece ficar cada vez mais sério.

A troca de carícias entre ambos ficou mais intensa em 2021. No início do ano, por exemplo, o líder do governo na ALMG passou a ser o tucano Gustavo Valadares. Em abril, a ex-candidata do PSDB à Prefeitura de BH, Luísa Barreto, tornou-se titular da Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag), após deixar a chefia da Emater-MG, cargo que ocupava desde o fim do ano passado.

Já em agosto, o vice Paulo Brant voltou ao ninho tucano, após seis anos – ele migrou para o PSB em 2015 para ser pré-candidato da legenda à sucessão do então prefeito de BH, Márcio Lacerda, em 2006, e ingressou no Novo em 2017.

O ato mais recente desse enlace foi o apoio explícito dado a Zema pelo também tucano e deputado estadual Antônio Carlos Arantes, 1º vice-presidente da ALMG, na semana passada, durante cerimônia de repasse de R$ 1,8 bilhão do acordo da Vale aos municípios mineiros, como reparação dos danos do desastre de Brumadinho.

Faltariam quadros políticos importantes ao Novo, algo que o PSDB poderia oferecer; já para tucanos, estar no governo seria fundamental para dar destaque às ações de novos nomes, que ganhariam vitrine em Minas


Convergência

Tanto entre os tucanos, como entre parlamentares do Novo existe o entendimento que há mais pontos convergentes entre as legendas do que de afastamento. Para o presidente do PSDB em Minas, deputado federal Paulo Abi-Ackel, os partidos apresentam proximidade nas agendas liberais e de gestão e há uma “convivência cada vez mais estreita” entre eles. “Há sinais claros de sinergia entre nós e o governo estadual, na maneira de conduzir o Estado e na decisão de priorizar a gestão. Existe uma simpatia clara, mas ainda é cedo em falarmos em um palanque único para 2022”, destaca.

O clima de relativo “romantismo político” também é percebido no Novo. Líder da legenda na Assembleia, a deputada Laura Serrano credita o fortalecimento da ligação a um alinhamento dos tucanos com as ações de governo. “O governo Zema tem atuado com foco sempre na melhoria da vida dos mineiros. Todas as forças políticas que atuarem nesta linha estão aptas a estar conosco. E o PSDB tem tido este entendimento”, explica.


Diálogo

O aumento do diálogo entre Zema e o Legislativo mineiro é tido com benefício da aproximação com os tucanos. Decano do PSDB na Assembleia, no sétimo mandato consecutivo, o deputado João Leite crê que a experiência dos parlamentares da legenda foi fundamental para que o governo estadual estabelecesse uma relação menos conflituosa com o Parlamento. “A relação entre os poderes nunca foi algo fácil, é bem verdade, mas é nítido que a atuação do líder de governo e de outros tucanos tem sido fundamental nesse processo”, destaca Leite.

 

Leia também:


Casamento entre Novo e PSDB para 2022 é possível, segundo líderes