Passada a ressaca da separação entre PSB e PSDB, os partidos articulam a composição de alianças para a escolha do vice e a garantia de tempo de televisão – fator considerado fundamental em uma campanha com prazo menor, como será a partir deste ano.

De acordo com interlocutores do prefeito Márcio Lacerda (PSB), ele negocia com PRB e PMN para a composição da chapa do afilhado político, o economista Paulo Brant.

Além disso, apesar das pretensões de o deputado estadual Sargento Rodrigues (PDT) em disputar a prefeitura, Lacerda mantém negociações diretas com os caciques do PDT nacional – o presidente do partido, Carlos Lupi, e o ex-ministro Ciro Gomes

Rodrigues nega a possibilidade. “Quando Lupi esteve aqui, no final do ano passado, disse que o PDT não lançaria pré-candidatura para negociar”, colocou.

“A opção de vice para Paulo Brant, por enquanto, é o ex-secretário municipal de obras, Josué Valadão (PSB)”, diz um interlocutor do prefeito, que confirma que há interesse tanto da presidente do PPS-MG e secretária municipal de políticas sociais, Luzia Ferreira, quanto do vereador Ronaldo Gontijo, do mesmo partido, em compor a chapa.

Luzia, no entanto, afirma que o PPS tem conversado com muitos candidatos. Segundo ela, além de Paulo Brant, os diálogos ocorrem com João Leite (PSDB), Délio Malheiros (PSD), Paulo Lamac (Rede) e Sargento Rodrigues.
 
“O fato de não ter a reeleição para prefeito faz com que as possibilidades estejam mais abertas. Já que não houve uma união [entre PSB e PSDB], também estamos postergando nossa decisão”, diz Luzia.

“Temos segurança de que vamos ter uma boa aliança programática e com candidatos fortes a vereador. São vários partidos que estão aí, mas não dá para divulgar”, desconversa o presidente municipal do PSB, Marcos Lôbo.

Mesmo se fechar com o PPS, o candidato do PSB deve ter um tempo menor na TV, sendo superado pelos nomes do PT e PMDB, que possuem bancadas maiores na Câmara dos Deputados – fator determinante no tempo de TV – com 58 e 66 deputados federais, respectivamente.

Para a chapa de João Leite, o PSDB trabalha com a possibilidade de compor com DEM, PP, PTB e Solidariedade – sendo que esse último pode apoiar Brant.

Os pré-candidatos do PT, Roberto Carvalho e Reginaldo Lopes, fazem reunião na próxima quinta com o governador Fernando Pimentel, quando o martelo pode ser batido. O partido conversa com o aliado histórico PCdoB.

“Ainda estamos na fase do treino. Quando o jogo começar, teremos menos candidaturas. Todos os partidos se colocam, até para poder negociar adiante. Será uma eleição muito difícil”, diz Roberto Carvalho.