Sob a justificativa de ter tido contato com dois assessores diagnosticados com Covid-19, o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello informou à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia que não poderá comparecer ao Senado nesta quarta-feira (5) para prestar esclarecimentos. A informação foi dada nesta terça-feira (4) pelo vice-presidente do colegiado, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

Como ministro que mais tempo ficou na pasta durante a pandemia do novo coronavírus dez meses o depoimento de Pazuello, aprovado na semana passada pela CPI, é um dos mais aguardados, por isso, foi o único da semana para o qual a comissão reservou um dia inteiro.

Eduardo Pazuello

Com o impedimento de Pazuello, uma nova data deve ser marcada para a ida do ex-ministro ao Senado

O ex-ministro, que estava no comando da pasta no auge da crise da Covid-19, deve ser questionado, entre outros assuntos, sobre a falta de oxigênio em Manaus, o número de mortes e infectados pela doença e ademora na compra de vacinas.

Com o impedimento de Pazuello, uma nova data deve ser marcada para a ida do ex-ministro ao Senado, visto que muitos senadores resistem à possibilidade de depoimentos remotos. Senadores querem evitar que os convocados recebam orientações sobre como responder às perguntas, em depoimentos remotos.

Por decisão do presidente do colegiado, senador Omar Aziz (PSD-AM), o depoimento do antecessor dele, o médico Nelson Teich, que seria na tarde desta terça-feira, foi adiado para esta quarta-feira.

Leia mais:
Vendas da ivermectina triplicam nas farmácias de Minas; remédio não tem eficácia contra a Covid-19
Após imunização, percentual de óbitos e internações de idosos com mais de 70 anos cai em Minas