O candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, usou seus minutos finais na apresentação que fez na Confederação Nacional da Indústria (CNI) para tecer críticas à gestão da Petrobras. Segundo o tucano, a estatal é "vítima da armadilha criada pelo atual governo". "Estamos na contramão do mundo. Ao subsidiar combustível fóssil, a Petrobras é a única empresa que quanto mais vende combustível mais prejuízo tem. Está amarrada por uma demanda de investimentos que não terá condições de fazer", disse.

O tucano destacou ainda a importância do agronegócio e disse que é preciso romper preconceitos que ainda cercam o setor. Ele aproveitou também para falar sobre o setor energético, o qual, segundo Aécio, está "na UTI". Ele defendeu que o setor de energia seja tratado com medidas duradouras.

Para encerrar sua apresentação a empresários industriais, o candidato fez um apelo pela mudança de governo. "Ou o Brasil encerra esse ciclo e constrói uma grande e nova aliança com a sociedade para romper estruturas carcomidas, ou daqui a quatro anos os desafios serão ainda maiores", disse. "O Brasil não merece o governo que está aí e o novo de verdade somos nós", finalizou o tucano.

O candidato afirmou ainda que o atual governo deixa a seu sucessor um Brasil desmobilizado e afirmou que sua candidatura não é uma construção individual. "Ela (candidatura) é hoje de uma parcela da sociedade que acredita na gestão pública eficiente. O setor público pode apresentar resultados positivos", disse. Aécio afirmou que as empresas públicas, em seu mandato, não serão instrumento de poder. Na avaliação do tucano, o País vive hoje uma crise federativa "extremamente grave".