“Nada nos deterá, nossa coragem é absoluta, não há possibilidade de interromper a nossa marcha”, afirmou no último domingo (20) o pré-candidato do PSDB ao governo de Minas, ex-ministro Pimenta da Veiga, referindo-se a supostas informações de que abriria mão da disputa pelo Palácio Tiradentes. O motivo seria seu indiciamento pela Polícia Federal (PF) por lavagem de dinheiro. Segundo ele, a retirada de sua pré-candidatura é “boato criado pela oposição”. 
 
Em discurso enérgico direcionado à juventude do partido durante encontro estadual que reuniu cerca de 200 pessoas, Pimenta classificou como “sujo” o jogo dos adversários. 
 
“Eu não acredito, eu tenho certeza que foi a oposição. Criaram a manchete para, com ela, tentar nos desestabilizar. Sabe quando conseguirão isso? Nunca”, disse o tucano, em um hotel no Centro de Belo Horizonte. 
 
Segundo o pré-candidato, existe “receio zero” de que o caso prejudique a campanha dele ou a do senador Aécio Neves (PSDB) ao Planalto. Aguardado no encontro, Aécio mandou um vídeo para cumprimentar as lideranças presentes. Antonio Anastasia (PSDB) era outro que também estava sendo esperado, mas não compareceu. 
 
No último domingo (20), Ana Paola Pimenta da Veiga saiu em defesa da integridade do marido, na tribuna. “Nesses 25 anos em que estou casada com Pimenta, não vi um deslize na vida dele. Já o vi com dinheiro, sem dinheiro, passando dificuldades. E essa semana vi falarem da moral dele. Isso vai se voltar contra quem plantou essa maldade”, discursou.
 
Na semana passada, Pimenta teria chegado a chorar em uma palestra com empresários ao falar da investigação da PF. 
 
“Essa campanha não vai ser fácil, nossos adversários jogam imundo, mas enfrentaremos porque temos certeza do nosso rumo. Não adianta nos ameaçar. Com vocês, juventude, não tenho medo de nada, somos muito fortes”, completou Pimenta, que também fez críticas ao governo Dilma Rousseff (PT). 
 
Lacerda
 
O pré-candidato do PSDB negou, No último domingo (20), que o prefeito de BH, Marcio Lacerda (PSB) tenha firmado compromisso de participar ativamente da campanha para o Palácio Tiradentes. “Não tem compromisso nenhum, estamos conversando”, pontuou. 
 
Sobre o lançamento do ambientalista Apolo Heringer (PSB) como pré-candidato ao governo de Minas, com apoio dos seguidores de Marina Silva e de parte do PSB, Pimenta disse que a posição do comando estadual da legenda não foi tomada. “Temos 18 partidos conosco, até o momento. Desde o primeiro momento, eu falei que aceito a posição que o PSB tomar, seja qual for”.