O Palácio do Planalto já esperava que o deputado Jovair Arantes (PTB-GO) fosse duro com a presidente Dilma Rousseff em seu relatório apresentado na comissão especial que avalia a possibilidade de impeachment. O governo considera que o texto foi "totalmente politizado", mas sem qualquer prova contra a presidente ou o Planalto, ou comprovação de qualquer crime de responsabilidade.

"O relatório é totalmente frágil juridicamente", disse um interlocutor da presidente, ao lembrar que não foi levada em conta a defesa apresentada pelo Advogado Geral da União (AGU). A determinação da presidente é que a AGU rebata ponto por ponto das acusações feitas pelo relator da comissão.

Outro interlocutor da presidente, ao ressaltar que o relator não apresentou qualquer prova contra a presidente Dilma, lembrou que a comissão do impeachment não se preocupou em fazer qualquer tipo de diligência. "A AGU vai contestar as razões jurídicas e políticas", reiterou.