MONTES CLAROS - Acusado de fraudar licitações à frente da Prefeitura de Coração de Jesus (Norte de Minas), Antônio Cordeiro de Faria (PSDC) será o primeiro prefeito de Minas Gerais a ser monitorado, pela Justiça, por meio de uma tornozeleira eletrônica. Afastado, quinta-feira (23), do cargo, ao lado do contador e de dois secretários da administração, que também usarão o acessório, Faria, segundo as investigações, contratava mediante licitações fraudadas, maquinário e trabalhadores para execução de obras públicas junto a empresas particulares.

Além do afastamento e das tornozeleiras, eles estão proibidos de acessar os prédios da prefeitura e suas respectivas secretarias. O prefeito e os servidores são acusados de fazer parte de um esquema, que fraudou os cofres públicos em R$ 2 milhões, que foi desarticulado pela Polícia Federal. Foram cumpridos, ao todo, 11 mandados de busca e apreensão na chamada operação ‘Odin’.

Vizinhança

Já em Montes Claros, cidade vizinha, os policiais apontaram fraude na concessão e saque de verbas destinadas ao Tratamento Fora de Domicílio (TFD). Os benefícios desta espécie eram criados pelos contraventores de forma fictícia, em nome de terceiros e sacados em proveito próprio. O Tribunal Regional Federal da 1ª Região, que autorizou as buscas, determinou a aplicação de medidas cautelares para os investigados.

Os suspeitos ainda foram proibidos de se comunicar entre si ou com qualquer funcionário municipal, testemunhas e construtoras investigadas. O descumprimento de qualquer um dessas medidas cautelares acarretará em prisão preventiva dos investigados.