O PSB deu início ao processo disciplinar interno que pode resultar na expulsão do vereador Alexandre Gomes da legenda. Na segunda-feira (2), um filiado protocolou uma representação pedindo a investigação, pela legenda, sobre o comportamento do parlamentar.

A base da representação foi reportagem publicada pelo Hoje em Dia que mostra denúncia do Ministério Público contra Gomes. Ele foi acusado de improbidade administrativa ao pagar com emprego público supostos serviços sexuais a uma mulher com quem manteve um caso extraconjugal. Em conversas pelo “Facebook”, o vereador combinava os encontros dentro do seu gabinete, na Câmara Municipal.

De acordo com o presidente municipal do PSB, João Marcos Lôbo, a sigla encaminhará a representação ao Conselho de Ética para que comece as investigações. A medida mais severa pode ser a expulsão, como ocorreu com o ex-vereador Gêra Ornellas, flagrado de cuecas dentro do gabinete na Câmara. No caso de Ornellas, o processo durou cerca de 40 dias.

Afastamento

Nos bastidores, existe vontade política dos socialistas em ver Gomes longe do partido. Parlamentares disseram que não querem a imagem da legenda abalada no próximo ano. Afinal, o PSB se prepara para a campanha de deputados e ainda tem uma empreitada presidencial pela frente. Anteontem, Gomes não foi visto no encontro estadual socialista, um indicativo de que está desgastado e sem apoio.

Na Câmara ainda não há qualquer medida para investigar ou punir o vereador, apesar de um grupo de parlamentares se articular para abrir processo por quebra de decoro.

Gomes nega o envolvimento com a mulher. Segundo ele, a página no “Facebook” foi montada e o emprego para M.C. foi resultado de um encaminhamento de currículo à regional Noroeste. Ele argumenta que ajuda várias pessoas a conseguir trabalho. Os registros de entrada na Câmara, no entanto, batem com os encontros combinados na rede social. Ontem, ele se disse “tranquilo”.