Criado por Marina Silva (PSB) para “fundar uma nova política”, o movimento Rede Sustentabilidade está cobrando para que seus filiados votem nas convenções estaduais. O valor mínimo para o militante exercer o voto é de R$ 30, segundo resolução nacional que estabelece o regimento interno das convenções de 2014. O documento foi aprovado pela cúpula nacional e vale para todos os estados.
 
Fundadores do Rede em Minas acusam Marina de “selecionar os filiados” e distorcer os ideais do movimento. Para eles, o Rede pratica a “velha política”. Aqueles que não puderem pagar o voto, devem apresentar uma justificativa por escrito, de acordo com o documento.
 
“A Marina e sua cúpula criaram regras absurdas para ganhar dinheiro. Temos 52 filiados no Aglomerado da Serra e outros 50 em Betim que ficaram fora do movimento por causa disso. Quem não puder, tem que apresentar atestado de pobreza”, disparou um dos fundadores o advogado Tito Lívio. De acordo com ele, a convenção em Minas será realizada em abril.
 
O artigo 6º do regimento traz a seguinte regra: “O filiado será considerado em dia com suas obrigações financeiras mediante o pagamento da contribuição extraordinária para a primeira convenção da Rede Sustentabilidade no valor mínimo de trinta reais”.
 
Velha política
Lívio faz parte de um movimento paralelo que questiona tais posicionamentos da cúpula nacional do Rede Sustentabilidade. Em um manifesto assinado pelo grupo interno Coletivo Mineiro, eles afirmam que pessoas são desfiliadas e assinaturas são impugnadas ilegalmente.
 
“A rede era um partido para receber pessoas, ativistas, mas continuam fazendo a velha política do mesmo jeito. Não tem nada de decisões horizontais, ações democratizadas. Não existe nada disso. Marina é uma fraude”, disparou o militante.
 
Outro lado
O Hoje em Dia entrou em contato com o líder da Rede em Minas, José Fernando Aparecido, mas ele não falou sobre o assunto. “Não tenho muito conhecimento sobre esse regimento”. O coordenador do grupo de trabalho Paulo Emílio também disse que não falaria uma vez que “os estados ão participaram da elaboração das regras”. O porta-voz da Rede ao lado de Marina, Cássio Martinho não foi localizado. Seu telefone pessoal estava desligado. 
 
Falta de assinaturas impediu registro
O pedido de criação do partido Rede Sustentabilidade foi arquivado em fevereiro desse ano no tribunal Superior Eleitoral (TSE). De acordo com o TSE, o processo já havia sido concluído em outubro do ano passado quando por maioria dos votos os ministros negaram a criação da Rede. 
 
O partido teve o apoio de 442.524 eleitores com assinaturas certificadas pelos cartórios eleitorais, mas precisava ter no mínimo 491.949 assinaturas. Em Minas, forma colhidas 100 mil sendo 60 mil certificadas.