O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), apresentou uma nova versão da agenda anticrise divulgada na segunda-feira (10). Além de acrescentar medidas, ele voltou atrás na proposta de cobrar pelo atendimento no SUS, mas sugeriu o fim do Mercosul.

A proposta de cobrar por procedimentos do Sistema Único de Saúde foi uma das mais criticadas desde que as medidas foram divulgadas. Na nova versão, Renan fala em "regulamentar o ressarcimento, pelos associados de planos de saúde, dos procedimentos e atendimentos realizados pelo SUS".

Sobre o Mercosul, o novo documento afirma que é necessário acabar com a união para que o "Brasil possa firmar acordos bilaterais ou multilaterais sem necessariamente depender do apoio dos demais membros" da comunidade.

A agenda, que antes tinha 29 pontos, agora conta com 43. Foi incluído um quarto eixo de propostas chamado de "reforma administrativa do Estado", em que o peemedebista sugere a redução do número de ministérios, estatais e cargos comissionados, além de outras cinco medidas.

Segundo o presidente do Senado, as novas propostas foram feitas após debate com outros senadores.