Com previsão de término nesta quinta-feira (5) a noite, foi retomado nesta manhã o julgamento do ex-prefeito Antério Mânica, acusado de ser um dos mandantes da Chacina de Unaí. Irmão do fazendeiro Norberto Mânica, condenado na semana passada a 100 anos de prisão, Antério governou Unaí por dois mandatos consecutivos, entre 2004 e 2012. Ele está sendo julgado em separado devido ao foro privilegiado por prerrogativa de função do cargo de chefe do Executivo.

Na parte da manhã, peças processuais, vídeos e áudios estão sendo lidos e exibidos para o conselho de sentença, formado por sete jurados. A tarde, a grande expectativa está por conta da realização de debates entre acusação e defesa e do interrogatório do ex-prefeito.

A previsão de desfecho do julgamento ainda hoje é do assistente da acusação Antônio Francisco Patente.

Na quarta-feira (5), 22 testemunhas arroladas pelas duas partes foram ouvidas pelo juiz Murilo Fernandes de Almeida, titular da Justiça Federal em BH.

O delator Hugo Alves Pimenta, em depoimento, não incriminou Antério. Em entrevista, o advogado Marcelo Leonardo, contratado pelo político, afirma que o Ministério Público Federal não tem elementos para pedir a condenação do cliente dele.