O servidor que, na manhã desta quinta-feira (9), soltou cinco roedores - dois ratos, dois hamsters e um esquilo da Mongólia - no plenário onde ocorre a CPI da Petrobras será exonerado, informou a assessoria da segunda vice-presidência da Câmara dos Deputados, departamento no qual o servidor, que exercia cargo de confiança, estava lotado desde 9 de março. Hoje a CPI ouve o depoimento do tesoureiro do PT, João Vaccari Neto. A assessoria informou ainda que o segundo vice-presidente da Casa, deputado Giacobo (PR-PR), não tinha conhecimento do acontecido, disse não poder se responsabilizar pelos atos dos outros e que o servidor será exonerado.

A deputada Professora Marcivania (PT-AP) conversou com o servidor no Departamento de Polícia Legislativa. Segundo a deputada, ele diz não se lembrar por qual portaria entrou na Casa, foi muito evasivo nas respostas às perguntas dela e estava um pouco nervoso. Ainda de acordo com a deputada, uma policial que estava na porta do plenário chegou a ser agredida pelo servidor ao tentar impedir sua entrada com a caixa contendo os roedores. "Não posso afirmar que o alvo era o PT, mas, no mínimo, houve um interesse de perturbar a sessão", afirmou a deputada, que disse não saber se ele agiu a mando de algum partido. "Disse a ele que a corda sempre arrebenta do lado mais fraco", afirmou Marcivania.

O advogado da bancada do PT na Câmara, Adilson José Barbosa, informou que o partido vai registrar ocorrência por constrangimento e pedir abertura de processo administrativo. Barbosa não descartou a abertura também de processo criminal e cível. Segundo ele, é possível pedir indenização por danos morais.


Servidor que soltou roedores na Câmara foi liberado no início desta tarde

O servidor Márcio Martins de Oliveira, que soltou hoje cinco roedores no plenário onde ocorre a CPI da Petrobras, foi liberado no início da tarde desta quinta-feira, 9, após prestar depoimento no Departamento de Polícia (Depol) da Câmara dos Deputados. Oliveira ocupa cargo comissionado na segunda vice-presidência da Câmara e deixou a Casa sem falar com jornalistas. Ele soltou dois ratos, dois hamsters e um esquilo da Mongólia. Hoje a CPI ouve depoimento do tesoureiro do PT, João Vaccari Neto.

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), determinou a exoneração do servidor. Antes de ocupar o cargo atual, Oliveira era secretário parlamentar no gabinete do deputado Paulinho da Força (SD-SP), onde ficou entre abril de 2012 e março deste ano. Desde o dia 9 do mês passado, ele trabalhava na segunda vice-presidência.