Um grupo de aproximadamente 300 servidores protestou na tarde desta quinta-feira (16) na Praça dos Três Poderes, em frente ao Palácio do Planalto, para cobrar da presidente Dilma Rousseff a sanção do reajuste para os servidores do Judiciário.

Aprovado no mês passado, o reajuste de até 78,56% para os servidores é considerado pelo Planalto "incompatível" com a situação fiscal do país - a presidente Dilma Rousseff vai vetar a medida. No dia 21 de julho, termina o prazo para a presidente se pronunciar oficialmente sobre o tema e anunciar o veto ao projeto de lei aprovado pelo Congresso Nacional.

"Dilma, sanciona! Ou vai passar vergonha", bradava o grupo, que fez o trânsito ser interditado na região próxima do Planalto. A reportagem identificou servidores do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e do Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJ-DF) entre os manifestantes, que carregavam cartazes com as frases "Sanciona, Dilma" e "Dilma está mentindo, queremos reposição".

"Vamos pressionar até o último minuto. Estamos fazendo um trabalho intenso dentro do Congresso Nacional e já coletamos mais de 300 assinaturas de deputados, além de 52 senadores, que já se comprometeram em derrubar o veto", disse o coordenador-geral do Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário e do Ministério Público da União no Distrito Federal (Sindjus-DF), José Rodrigues Costa. "O veto de Dilma é uma afronta ao Poder Legislativo e ao Judiciário", completou.

Durante a manifestação foi encenada uma curta apresentação com a personagem da Justiça, representada por uma mulher, sendo acorrentada por outras duas pessoas, que usavam máscaras da presidente Dilma Rousseff e do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). "Libertem a Justiça", gritavam os servidores.

A segurança foi reforçada em torno do Planalto durante a manifestação, que ocorreu de forma pacífica e sem incidentes.