Diante da resistência de Renan Calheiros (PMDB-AL) em deixar a presidência do Senado, o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decide nesta quarta-feira (7) se confirma ou não a liminar do ministro Marco Aurélio Mello que determinou o afastamento do peemedebista do cargo na última segunda-feira (5). A sessão começou às 14h13.

O julgamento é o primeiro item da pauta da sessão desta quarta-feira. Dois ministros não votarão: o ministro Gilmar Mendes, por estar cumprindo agenda oficial em Estocolmo; e Luís Roberto Barroso, que já se declarou impedido, porque advogados de seu antigo escritório subscreveram a ação levada ao STF pela Rede.

Barroso divulgou nesta quarta-feira (7) uma nota na qual afirma considerar como "crime de desobediência" ou "golpe de Estado" o fato de Renan não ter cumprido a ordem de Marco Aurélio Mello pelo afastamento do parlamentar da presidência do Senado. "Deixar de cumprir uma decisão judicial é crime de desobediência ou golpe de Estado", disse Barroso.

Conforme informou nesta quarta-feira o jornal "O Estado de S. Paulo", a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, e pelos menos outros quatro integrantes da Corte buscaram uma saída para a crise entre Judiciário e Legislativo.

Diante de um impasse institucional, existe a possibilidade de os ministros buscarem uma saída intermediária: Renan seria mantido na Presidência do Senado, mas impedido de assumir a Presidência da República interinamente na ausência de Michel Temer.

Leia mais:
Aécio quer apresentar requerimento para garantir votação de PEC do Teto
Marco Aurélio cobra Câmara sobre instalação da comissão do impeachment de Temer
STF deve julgar hoje direito ao aborto em casos de infecção por Zika

Teste

Durante café da manhã com jornalistas nesta terça-feira, Cármen disse que o País passa por um "teste". "Eu vejo um teste para a dinâmica das instituições democráticas, mas não vejo uma fragilidade", disse a ministra, ao ser questionada sobre as mudanças nas presidências da República (impeachment de Dilma), da Câmara dos Deputados (afastamento e cassação de Eduardo Cunha) e do Senado Federal (afastamento de Renan) no segundo semestre deste ano.

Assista a sessão ao vivo: