O vice-presidente do República, Michel Temer, disse a investidores em uma palestra em Nova York na tarde desta terça-feira (21) que se fosse o presidente, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, seria seu ministro. Ao dar essa declaração, Temer foi aplaudido pelos presentes, que incluíam gestores de grandes fundos e instituições financeiras internacionais, como a Pimco, Nomura, AllianceBernstein, Goldman Sachs, Morgan Stanley, JP Morgan, MetLife e Oppenheimer.

Após a reunião, Temer confirmou aos jornalistas o que disse sobre Levy no encontro, que foi fechado à imprensa. "Eles perguntaram o que eu faria se eu fosse o presidente. Disse que manteria o Levy, claro, ele está fazendo um belo trabalho", afirmou Temer.

Os gestores também questionaram se o PMDB teria candidato próprio nas eleições presidenciais de 2018. "Eu disse que sim", falou mais tarde Temer aos jornalistas, evitando comentar se ele seria o candidato. "Faltam no mínimo três anos."

Ainda na apresentação, Temer foi questionando sobre os problemas no Congresso e o rompimento de Eduardo Cunha com o governo. "Acho que conseguimos dar resposta satisfatória e uma mensagem de otimismo", afirmou Temer quando questionado sobre o teor de sua apresentação aos investidores. "Me surpreendi não só pela presença, mas pela audiência e pelo interesse", disse.

Temer ressaltou ainda que "desde o primeiro momento foi um grande desafio" assumir a coordenação política do governo, especialmente em um momento que medidas impopulares do ajuste fiscal seriam apresentadas ao Congresso. "Mas vai indo bem. Eu tenho jogado água na fogueira, como digo sempre."