A presidente afastada Dilma Rousseff e o presidente interino Michel Temer utilizaram as redes sociais, neste domingo (12), para lamentar o massacre a uma casa noturna frequentada pelo público LGBT em Orlando, na Flórida. Pelo menos 50 pessoas foram assassinadas.

No Twitter e no Facebook, Dilma disse que "estamos vivendo momentos terríveis, tempos de preconceito e intolerância que ceifam vidas humanas". "Vamos juntos lutar contra esta barbárie. Meus sentimentos às famílias das vítimas, ao presidente Barack Obama e ao povo dos Estados Unidos", continuou.
 

Dilma

Já Temer escreveu no microblog, que expressava “a solidariedade brasileira às famílias das vítimas desse atentado”.
 

Temer

Também na internet, a deputada Jandira Feghali (PT-RJ) ressaltou que no dia que o Brasil comemora o amor, “o ódio é notícia em Orlando”.
 

Jandira Feghali

Já o jornalista e ativista LGBT William De Lucca cobrou mais repressão contra a homofobia. “Sem direitos, sem liberdade, sem dignidade, a gente morre um pouco todo dia. Todo dia é dia de luto na comunidade gay.
 

William De Lucca

Digite aqui a legenda

Até o momento, não há informações no Consulado-Geral do Brasil em Miami sobre cidadãos brasileiros feridos ou mortos no ataque à casa noturna Pulse.

No resto do mundo

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, também se expressou em discurso reproduzido no Twitter da Casa Branca. “Nós estamos com as pessoas, que sofreu um duro ataque à sua cidade”, ressaltou.
 

Obama

A candida à presidência Hillary Clinton afirmou que ficou devastada com o massacre. “Acordei com a devastadora notícia da Flórida. Aguardo esperando mais informações. Meus pensamentos estão com os afetados por este terrível ato”, comentou.

Hillary ainda enviou uma mensagem à comunidade LGBT: “saibam que vocês têm milhões de aliados pelo país. E eu sou um deles”.

HIllary Clinton
Hillary Clinton

O polêmico e também candidato ao cargo Donald Trump foi mais enfático. “Horrível incidente na Flórida. Orando por todas as vítimas e suas famílias. Quando isso vai parar? Quando vamos endurecer, ficar mais espertos e vigilantes?”, cobrou.

Trump