Relatório da Polícia Federal apontou que um policial militar atuou para atrapalhar as investigações da morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. De acordo com informações divulgadas pelo portal G1, o policial Rodrigo Jorge Ferreira, o Ferreirinha, teria criado uma história com a finalidade de confundir as autoridades, além de ter aproveitado a trama para se vingar.

Segundo o relatório, Ferreirinha é ex-aliado de Orlando Oliveira de Araújo, o Orlando Curicica, que foi acusado de tramar o atentado ao lado do vereador Marcello Siciliano. Curicica, que cumpre prisão por outros casos em uma penitenciária federal, e Siciliano negam envolvimento no crime, mas chegaram a ser investigados a partir das suspeitas levantadas por Ferreirinha.

De acordo com o jornal Folha de S.Paulo, um delegado da Polícia Federal também estaria envolvido na tentativa de obstrução, tendo levado uma testemunha a dar falso testemunho, dificultando a solução do caso que aconteceu em março de 2018.

Marielle e Anderson foram mortos por um homem que efetuou disparos da janela de um veículo em movimento. Para os investigadores, trata-se do ex-policial militar Ronnie Lessa, que foi preso junto com o ex-policial Elcio Queiroz. Ambos são suspeitos de terem participado diretamente das execuções. A Polícia Civil segue investigando o caso na tentativa de localizar os mandantes do crime. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia mais:
'Liberdade de expressão não é absoluta', diz guarda de Ouro Preto após polêmica com Marielle Franco
Marielle Franco deve virar nome de jardim em Paris
BH ganha bares temáticos de 'direita' e de 'esquerda'