Se a chegada do novo Renault Duster fez com que a Hyundai ajustasse a base da linha do Creta, as estreias de Volkswagen Nivus e Chevrolet Tracker fizeram a marca mexer na prateleira mais alta do jipinho derivado do HB20. Agora o modelo passa a contar com a versão Limited 1.6, com preço sugerido de por R$ 99.990, para se colocar numa condição mais competitiva para o consumidor que busca um jipinho na faixa dos R$ 100 mil e exige um pacote farto de conteúdos. 

O Creta viu sua terceira posição no ranking de emplacamentos da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) despencar para quarta posição em 2020. Claro que os efeitos da pandemia do coronavírus Covid-19 podem distorcer no desempenho de determinado modelo, em função da escala de produção de cada marca, assim como as restrições de abertura das praças. Mas fato é que a o sinal amarelo acendeu na Hyundai.

Em 2019, ela terminou o ano com 57.460 licenciamentos, segundo a Fenabrave, que corresponde a 9,57% de participação em todo segmento de utilitários-esportivos, dos compactos aos modelos de alto luxo. Este ano são 16.695 unidades, que em pontos percentuais se traduzem em 8,89%. Pode parecer pouco, mas foi o suficiente para o T-Cross assumir a terceira posição. 

E para complicar ainda mais, o Tracker vem numa ascensão acelerada. Lançado em março, suas vendas efetivamente começaram em abril e ele já acumula 11,3 mil unidades. Tudo isso sem contar com o Nivus, que já chegou esgotando duas edições de lançamento. Nos corredores da sul-coreana, a ordem é se ajustar ao mercado e entender as mudanças de perfil do consumidor, principalmente depois do fenômeno do Covid-19.

O Creta Limited

A versão se posiciona entre as atuais Pulse 1.6 e Prestige 2.0. Assim, ele oferece conteúdos da opção topo de linha, mas sem que o consumidor precise pagar mais caro pelo motor mais potente (e beberrão). 

A lista de conteúdos da versão inclui bancos em couro (em tom bege), sistema Stop & Go de parada e partida automática do motor, seis airbags, faróis com projetor e iluminação lateral “cornering lamp”, lanternas com luzes em LED, nova pintura na grade frontal e novas rodas de liga leve de 17”. Ele ainda adiciona chave presencial (em formato de pulseira Hyundai Key Band), chave presencial Smart Key, partida do motor sem chave e maçaneta externa cromada.

Entre os conteúdos triviais ainda figuram direção elétrica, ar-condicionado digital, sistema multimídia blueMedia (com TV digital, touchscreen de sete polegadas, Apple CarPlay e Android Auto, Bluetooth, MP3 player, conexão USB/iPod, entrada auxiliar e câmera de ré), assim como monitor de pressão dos pneus (TPMS), seis airbags, controles de estabilidade e tração, e assistente de partida em rampa. 

Faltou mesmo foi o sistema de frenagem automática do HB20. Mas ao que tudo indica deverá ficar para a próxima geração do jipinho, que já existe lá fora (como ix25) e deve estrear por aqui até o final de 2021, junto do motor turbo TGDi 1.0 de 120 cv e 17,5 mkgf de torque, que equipa as versões mais caras do hatch.