O Porsche 718 Cayman se tornou uma das opções mais interessantes para quem busca um cupê de Stuttgart, mas não pode levar um 911 para casa. E para quem busca desempenho para uso em pista e acha que o 911 GT3 é muita areia para o próprio caminhãozinho, nada mais acertado que o novo 718 Cayman GT4. O cupê foi renovado e chega à linha 2020 com um novo motor boxer seis cilindros 4.0 (aspirado) de 420 cv e 42 mkgf, herdado do 911.

A unidade substitui o antigo 3.8 de 385 cv e deixou o cupê purista ainda mais bravo. É basicamente o carro que será utilizado pela marca nas categorias GT4. 

Para se ter uma ideia, esse Cayman tem a mesma potência do primeiro 911 Turbo, com refrigeração líquida, da geração 996, mas num corpinho mais leve e com melhor distribuição de peso. Tudo isso faz dele um monstro que acelera de 0 a 100 km/h em 4,4 segundos e atinge a máxima de 304 km/h.

Como se trata de um carro para uso urbano e diversão em circuito fechado, ele tem acabamento simplificado e pode receber acessórios como santo-antônio e bancos com cintos de quatro pontos. Também recebeu novo aerofólio fixo, mas com dimensões menores que a versão que disputará competições da FIA, na categoria GT4. 

Aberto
Junto do Cayman anabolizado, a marca apresenta a linha 2020 do 718 Spyder, que se torna um modelo padrão e não mais uma versão do Boxster. 

Assim, ele figura como a opção de alto desempenho e mais despojada para a carroceria conversível, em que itens que “pesam” foram suprimidos. Entre eles estão: central multimídia, maçanetas articuladas, além de uso de uma cobertura de tecido mais leve. 

A Porsche aproveitou o conjunto mecânico do cupê e estendeu ao conversível. Assim, ele recorre à transmissão manual de sete marchas e ao bloco 4.0 de 420 cv. Mesmo aberto, acelera de 0 a 100 km/h com o mesmo tempo do GT4 e tem velocidade máxima bem próxima: 301 km/h. 

Como já de praxe, além da capota de lona menor, o Spyder se diferencia do Boxster pela carenagem com corcovas e que avançam mais sobre o habitáculo como no 911 Speedster.