A Prefeitura de Belo Horizonte declarou, em nota, nesta terça-feira (13), que não tem a intenção de pressionar o governador eleito, Romeu Zema (Novo), com relação aos repasses em atraso ao município. Na nota, a PBH utiliza o termo "pressionar de forma indevida". 

De acordo com o órgão, a forma de tratamento direcionada ao novo gestor do executivo estadual não mudará quando comparada ao que já é feito com o atual governador, Fernando Pimentel (PT). 

"Como fizemos com o governo atual, queremos o diálogo franco e aberto para que a situação dramática em que todos se encontram possa ser resolvida da melhor forma, de modo que todos nós colaboremos para a governabilidade das esferas tanto estadual quanto municipal", afirmou a nota oficial, sem assinatura. 

Romeu Zema foi eleito no dia 28 de outubro, com 71,80% dos votos, segundo o Tribunal Regional Eleitoral do Estado. O político tomará posse em 1º de janeiro de 2019.