A Prefeitura de São Paulo quer que a malha cicloviária da cidade seja incluída no Google Maps, a ferramenta de mapas mais consultada do mundo. A iniciativa, inédita no Brasil, não traria custos para a administração municipal e os ciclistas teriam acesso mais fácil à rota de todas as ciclovias da capital paulista.

Com a inclusão das bicicletas no Google Maps, os ciclistas conseguiriam escolher os melhores percursos para pedalar e ainda combinar diferentes modais de transporte, já que a ferramenta oferece opções de trajeto a pé, de carro, metrô e ônibus. Para isso, a Prefeitura precisaria fornecer os mapas das ciclovias, enquanto a multinacional seria responsável pelo desenvolvimento dos dados.

"Vamos fazer o pedido ao Google, para que as pessoas saibam como se deslocar na cidade", confirmou o prefeito Fernando Haddad durante a inauguração de uma ciclovia no Jardim Helena, região de São Miguel Paulista, na zona leste, na manhã desta quinta-feira, 23. A reportagem apurou, no entanto, que a Prefeitura já entrou em contato com a multinacional, mas as negociações ainda estão em estágio inicial.

A assessoria do Google confirma que a empresa tem interesse na iniciativa, mas diz que não recebeu nenhuma comunicação oficial da Prefeitura. Por isso, não existe data para que o roteiro das ciclovias paulistanas esteja disponível no Google Maps. Uma das preocupações da multinacional é que a malha cicloviária planejada pela atual administração está em constante expansão e só deve ser concluída em dezembro de 2015, o que exigiria atualizações frequentes da ferramenta.

Ao redor do mundo, mais de 20 países - entre eles Alemanha, Inglaterra, França e Canadá - e mais de 150 cidades dos Estados Unidos já têm ciclovias disponíveis no Google Maps.

Meta

O prefeito Fernando Haddad inaugurou o 100º quilômetro de ciclovia construída pela sua gestão na manhã desta quinta, na zona leste de São Paulo. Com isso, a Prefeitura já cumpriu 25% da meta estabelecida de 400 quilômetros de equipamento na cidade.

Durante a entrega do trecho com 8,2 quilômetros, Haddad afirmou que espera triplicar o número de ciclistas na cidade. "Hoje, São Paulo tem 500 mil ciclistas, aproximadamente, mas seria razoável ter 1,5 milhão. Vai melhorar a saúde do paulistano, o ar que a gente respira e o tempo de deslocamento das pessoas. É uma oportunidade de repensar a vida urbana", disse.