O prejuízo das empresas em todo mundo com crimes cibernéticos em 2021 deve ser três vezes o valor do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro - US$ 6 trilhões. O Brasil ocupa o 5º lugar com mais registros de ataques hackers contra empresas. Só neste ano, foram registradas 9,1 milhões de ocorrências, deixando o país atrás apenas de EUA, Reino Unido, Alemanha e África do Sul. Os dados são da empresa de consultoria alemã Roland Berger.

O consultor de Segurança de Informação, Vinícius Vieira, diz que o principal problema das empresas brasileiras é que a maioria não se preocupa com segurança e acaba deixando vulnerável todos os dados, o que facilita a ação de criminosos.      

Segundo ele, essa situação pode ser evitada com medidas básicas de prevenção - como não clicar em links não seguros, evitar a divulgação de informações pessoais, jamais usar pen drive USB desconhecido, entre outras. 

Também existe no mercado uma série de programas e sistemas que garantem a proteção contra ataques cibernéticos, e do tipo mais comum, o ransomware, que é uma espécie de sequestro de dados, no qual o criminoso invade redes e dados corporativos no intuito de roubá-los e criptografá-los para devolver somente mediante pagamentos milionários.  

Vinícius Vieira explica que, para toda a gestão de segurança funcionar, é necessário que os softwares estejam atualizados, e que as medidas preventivas e de segurança valem também para pessoa física. 

Acompanhe a entrevista na íntegra. 

Leia Mais:
Público de 49 anos recebe segunda dose contra a Covid-19 nesta sexta em BH; confira calendário
Provável fusão entre DEM e PSL pode ter Zema e Pacheco no mesmo palanque em 2022