Após entregar a proposta de reforma da Previdência no Congresso Nacional, o presidente Jair Bolsonaro reuniu-se nesta quarta-feira (20) com os presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Durante o almoço no Palácio do Planalto, eles trataram da tramitação do texto nas casas legislativas.

Também participaram do encontro o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e o líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO). Ao chegar, o deputado disse que sentiu disposição dos governadores para apoiar a reforma. “Senti nos governadores uma grande sensibilização da importância da reforma; eles estão com dificuldades de manter o equilíbrio fiscal”, disse Vitor Hugo.

A proposta foi apresentada nesta quarta-feira (20) aos governadores pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, durante reunião em Brasília.

De acordo com Vito Hugo, durante a tramitação do texto, algumas alterações pontuais devem ser feitas por deputados e senadores. “Mas temos certeza [de] que o Parlamento vai aperfeiçoar a proposta”, disse o deputado. Ele informou que hoje começam as conversas para construção da base de apoio do governo do Congresso.

Inicialmente, a proposta será submetida à análise da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara e depois será discutida e votada em uma comissão especial da Casa, antes de seguir para o plenário. No plenário, a aprovação do texto depende de dois turnos de votação com, no mínimo, três quintos dos deputados (308 votos) de votos favoráveis.

Em seguida, a proposta vai para o Senado, onde a tramitação também envolverá discussão e votações em comissões para depois ir a plenário.

Leia mais:
Proposta extinguirá aposentadorias especiais para parlamentares
Estados deficitários terão de aumentar alíquotas para Previdência
Aposentadoria por incapacidade será menor para alguns trabalhadores
Onyx diz que proposta vai receber ajustes e contribuições
Policiais e agentes penitenciários poderão se aposentar aos 55 anos
Trabalhador contribuirá 40 anos para se aposentar com 100% do salário
Líder do MDB diz que reforma será aprovada até 15 de julho
Previdência terá alíquotas progressivas de contribuição