A Procuradoria-Geral do Município de Belo Horizonte gastou R$ 63 mil no fretamento de uma aeronave para uma viagem do procurador Tomáz de Aquino Resende a Brasília, no dia 3 de maio. 

A informação foi publicada no Diário Oficial do Município (DOM) desta quinta-feira (7). A Procuradoria afirma que o objetivo da viagem foi uma reunião com o Ministro Luis Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), e o Escritório de Representação da Procuradoria Geral do Município (PGM) em Brasília. 

O vereador Mateus Simões (NOVO), que denunciou o gasto em discurso durante sessão na Câmara dos Vereadores, nesta quinta-feira (7), fez duras críticas à procuradoria. "É uma mostra do descaso do Governo com o dinheiro do brasileiro. É uma pequena demonstração do abuso dos governantes com o dinheiro público", afirma. 

Simões revelou que notificou o diretor de finanças da procuradoria para saber detalhes sobre a ordem de fretamento e assim que receber as informações vai encaminhar ao Ministério Público para a investigação de crimes de responsabilidade fiscal, prevaricação, além da possibilidade de ressarcimento do valor aos cofres públicos. 

À título de comparação, em simulação feita pelo Hoje em Dia, foram encontrados dez voos comerciais partindo de Belo Horizonte rumo à Brasília, nesta sexta-feira (8), e o valor do bilhete variou entre R$ 180,00 e R$ 982,00. 

Prefeitura 

Em relação ao valor gasto no fretamento do voo, a prefeitura de Belo Horizonte emitiu o seguinte comunicado:

"O procurador-geral de Belo Horizonte, Dr. Thomáz de Aquino, foi à Brasilia no dia 3 de maio para uma agenda com ministros do Supremo Tribunal Federal, concedida de última hora e por isso foi necessário fretar uma aeronave. 

O procurador foi à capital federal tratar das verbas não repassadas pelo Governo Estadual para a Prefeitura de Belo Horizonte. Três dias após a viagem, o Município recebeu R$180 milhões desses recursos que estavam atrasados."

Veja a reprodução do Diário Oficial do Município (DOM): 

 

Diário oficial do Município