Projeto que prevê fiscalização do Ecad volta para Senado

Eduardo Bresciani - Agência Estado
10/07/2013 às 09:45.
Atualizado em 20/11/2021 às 19:55

A Câmara dos Deputados aprovou na terça-feira (9) o projeto que altera o processo de arrecadação de direitos autorais restringindo a atuação do Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad) com uma emenda liberando do pagamento da taxa eventos filantrópicos. A mudança fará com que a proposta tenha de retornar para o Senado.

A emenda aprovada é de autoria do deputado Nilson Leitão (PSDB-MT). Pelo texto, fica isento da taxa evento que "tiver finalidade filantrópica, de utilidade pública com objetivo beneficente". Leitão justificou a emenda argumentando que entidades beneficentes acabam tendo dificuldade em realizar eventos para arrecadar fundos por não terem como recolher a taxa. Na justificativa, cita entre os possíveis beneficiados igrejas, templos, comunidades rurais, clubes de serviços, associações, em caráter civil, e voluntários que atuam na área.

A relatora, Jandira Fegalhi (PC do B-RJ), desejava a rejeição da emenda para que o projeto seguisse diretamente para a sanção presidencial, mas não foi atendida. Ela propôs deixar o benefício a eventos filantrópicos para a lei geral de direitos autorais, em tramitação na Casa, mas a maioria do plenário decidiu, em votação simbólica, por fazer a alteração no texto.

Pelo projeto, o Ecad mantém a exclusividade na distribuição dos recursos, mas passa a ser fiscalizado pelo Ministério da Cultura e tem sua taxa de administração diminuída de 25% para 15% dos direitos autorais devidos a cada artista. A escolha dos dirigentes também é alterada, tornando homogênea a participação de cada sociedade arrecadadora. Atualmente, tem mais votos quem arrecada mais. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
http://www.estadao.com.br

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por