A Lei nº 14.228/2021 que proíbe o sacrifício de cães e gatos pelos órgãos de controle de zoonoses, canis públicos e outros estabelecimentos oficiais similares foi publicada hoje (21) no Diário Oficial da União e entrará em vigor em 120 dias. A medida sancionada nessa quarta-feira (20) pelo presidente Jair Bolsonaro tem o objetivo de proteger animais são recolhidos da rua por essas entidades e estimular a adoção e o resgate por entidades de proteção dos animais.

Em caso de descumprimento, o infrator estará sujeito às penalidades previstas na Lei de Crimes Ambientais (Lei nº 9.605/1998). Essa legislação prevê, por exemplo, detenção de três meses a um ano e multa para quem praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos. A pena é aumentada de um sexto a um terço em caso de morte do animal.

De acordo com a lei publicada nesta quinta-feira, somente os animais com males, doenças graves ou enfermidades infectocontagiosas incuráveis que coloquem em risco a saúde humana e a de outros animais poderão sofrer eutanásia. Neste caso, o procedimento deverá ser justificado por laudo do responsável técnico pelo estabelecimento, precedido, quando for o caso, de exame laboratorial.

As entidades de proteção animal devem ter acesso irrestrito à documentação que comprove a legalidade da eutanásia.

Leia mais:

Câmara Municipal de Belo Horizonte aprova em 1º turno projeto de lei que proíbe tatuagem em animais
Quatro pessoas são presas por manter mais de 30 aves silvestres em cativeiro no Sul de Minas