Minas Gerais é o maior produtor e exportador de café do país, uma participação que coloca o Brasil no topo do ranking da produção e exportação do grão em todo o mundo.

Mas as mudanças climáticas têm prejudicado as lavouras no Estado. As temperaturas abaixo de 0º em algumas cidades produtoras e as geadas dos últimos dias preocupam especialistas em relação à safra de 2022.

Já no ano passado foi a seca que castigou produtores das regiões Sul e Sudoeste de Minas Gerais, e alguns chegaram a perder 100% da lavoura, de acordo com a Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa). Com isso, a safra teve redução de 35%. 

Apesar das intempéries climáticas, o preço do produto no mercado internacional está valorizado, já que a oferta é menor do que a demanda. 

O vice-presidente do Centro do Comércio de Café do Estado de Minas Gerais, Ricardo Schneider, conversa com a repórter Maria Amélia Ávila sobre a produção, a colheita e a exportação do café nesta quarta-feira (21), às 17h30. A live será transmitida pelo Instagram do Hoje em Dia.

Leia Mais:
Seminário apresenta lácteos mineiros a países importadores
Assistência especial aos criadores de gado
Conab estima colheita de 260,8 milhões de toneladas na safra 2020/2021