Regras de isolamento por Covid e testagem: entenda os prazos e veja o que fazer

Clara Mariz
clara_mariz
27/01/2022 às 20:20.
Atualizado em 30/01/2022 às 01:07
 (Leopoldo Silva/Agência Senado)

(Leopoldo Silva/Agência Senado)

O número de pessoas contaminadas pelo coronavírus não para de crescer. Em todo o país, um triste recorde revela que em 24 horas foram registrados 224 mil novos casos. E o avanço da transmissão da Covid-19 tem provocado uma corrida pelos testes em todo o país. Para se ter uma ideia, só na quarta-feira (27) dos 13 mil exames realizados no território nacional pelo laboratório Hermes Pardini, 65% tiveram resultado positivo para o coronavírus - a grande maioria (97%) atribuída à variante Ômicron. 

Com o aumento da demanda, o tempo de entrega do resultado pelo laboratório dobrou em Minas: o teste RT-PCR - padrão ouro para diagnóstico da doença - que normalmente demorava cerca de 24h para ficar pronto, agora só é entregue dois dias úteis após a coleta, desde que ela tenha sido feita até às 21h.

Quem tem pressa em ter uma confirmação recorre aos testes rápidos em farmácias e drogarias. Rony Anderson de Andrade Rezende, vice-presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Minas Gerais (Sincofarma) afirma que, desde o dia 5 de janeiro, faltam kits em 70% dos estabelecimentos que realizam os exames.

E, apesar da explosão dos casos de Covid e do aumento do tempo de espera por resultados, o Ministério da Saúde mudou, no último dia 10, o período de isolamento para pessoas que foram infectadas pelo coronavírus ou que apresentam sintomas de Covid. Agora, o prazo de isolamento foi reduzido para até cinco e dias, desde que o paciente não apresente sintomas respiratórios e febre há, pelo menos, 24h. 

O epidemiologista e mestre em infectologia, José Geraldo Leite Ribeiro, explica que, como em qualquer outra virose, o coronavírus se comporta de um formas diferentes em cada organismo e, por isso, é importante a testagem em massa. Para ele, o exame mais recomendado é o RT-PCR, feito em laboratórios de diagnóstico, já que a sua sensibilidade ao vírus é maior. “Nas farmácias nós temos o teste rápido de antígeno, ele é eficaz para saber se a pessoa está com a doença. Mas, para a saída do isolamento, ele tem algumas falhas, já que naqueles que estão assintomáticos a sensibilidade é menor, podendo dar um falso negativo”, afirmou. 

Confira o que você precisa saber sobre as novas regras de isolamento:

5  dias de isolamento 

No anúncio feito pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, pode sair do isolamento quem testou positivo para a Covid e que, após cinco dias, tenha, em outro exame, resultado negativo. Contudo, essas pessoas devem estar há pelo menos 24h sem sintomas respiratórios ou febre. 

Para o epidemiologista e infectologista José Geraldo Leite Ribeiro, na prática, esse tempo de isolamento é falho, já que o tempo de espera pelo exame RT-PCR tem sido de, no mínimo, dois dias úteis. 

7 dias de isolamento 

De acordo com o Ministério da Saúde, quem estiver há sete dias com sintomas deve, obrigatoriamente, fazer a testagem. E, caso o resultado seja negativo, é necessário estar há 24h sem sintomas respiratórios ou febre para sair do isolamento. 

Ribeiro explica que nos casos das pessoas que saem do isolamento com sete dias de contaminação, mesmo com o resultado negativo e sem sintomas, é preciso que elas permaneçam de máscara o tempo todo, já que ainda é possível que a carga viral seja suficiente para a transmissão da doença. Ou seja, o paciente não poderá permanecer sem máscara em ambientes em que haja outras pessoas. 

10 dias de isolamento 

Já aqueles que não realizaram a testagem até o décimo dia, mas estiverem sem sintomas respiratórios e febre há pelo menos 24 horas, poderão sair do isolamento. Conforme o infectologista, se a pessoa estiver assintomática não há riscos de transmissão. 

Permanência de alguns sintomas

O Hoje em Dia questionou o médico infectologista quanto à existência de alguns sintomas mesmo após os dez dias de isolamento. Tem sido comum que pessoas que positivaram para doença apresentem tosse constante, irritação na garganta ou nariz escorrendo. Nesses casos, José Geraldo aconselha que o paciente procure uma avaliação médica para que seja feita uma análise clínica. “É preciso considerar o histórico médico da pessoa, se ela possui, por exemplo, uma doença que provoque uma tosse crônica ou se o nariz escorrendo está sendo causado por outros fatores. Uma consulta a distância já ajuda em situações como estas”. 

Fique atento aos sintomas 

Para que o caso seja considerado como suspeito a pessoa deve apresentar ao mesmo tempo dois sintomas gripais. Veja quais:

  • Febre;
  • Tosse;
  • Dificuldade para respirar;
  • Distúrbios olfativos ou no paladar;
  • Calafrios;
  • Dor de garganta;
  • Dor de cabeça;
  • Coriza;
  • Diarréia.

Leia mais

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por