Se as eleições para a Presidência da República fossem hoje, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) estaria no segundo turno. É o que aponta pesquisa do Instituto Paraná, disponibilizada ao Hoje em Dia. No cenário sem a presença do ex-presidente petista Luiz Inácio Lula da Silva (condenado em segunda instância e preso em Curitiba), Bolsonaro tem 20,5% das intenções de voto. É seguido por Marina Silva (Rede) com 12% e Joaquim Barbosa (PSB) com 11%. Ciro Gomes (PDT) tem 9,7% e o ex-governador Geraldo Alckmin, aposta do PSDB, tem 8,1%. O senador Álvaro Dias (Podemos) conseguiu 5,9%. 

Apontado como sucessor eleitoral de Lula, o petista Fernando Haddad pontua com apenas 2,7% da preferência do eleitor. A deputada Manuela D'Ávila (PCdoB), tem 2,1%. Com reprovação de 81,2% (também medida na pesquisa), o presidente Michel Temer (MDB) fica à frente apenas do empresário Flávio Rocha (Novo). Temer está com 1,7% das intenções de voto enquanto Rocha tem 1%. O número de indecisos é de 4,7% e 17,5% disseram que não votariam em nenhuma das opções.

Já em um cenário em que o presidente Lula aparece como candidato, ele lidera com 27,6%. Bolsonaro perde a liderança e pontua em 19,5%. 

Rejeição

O nome do PT para a disputa, Fernando Haddad, é aquele com maior índice de rejeição. Conforme o Instituto Paraná, 66,1% dos eleitores não votariam de jeito nenhum no petista. O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, tem o menor índice, 45,5%. Bolsonaro tem 49,6%. 

 

Tranferência

A aposta do PT é na transferência de votos de Lula para um aliado. Dentre os eleitores do ex-presidente, 62% disseram que votariam em um quadro apontado por ele. E o maior percentual deles, 19,2%, afirmou que escolheria Marina Silva (Rede). 

 

Pesquisa

O Instituto Paraná ouviu 2.002 eleitores de todos os Estados em 154 municípios entre os dias 27 de abril e 2 de maio. O estudo está registrado no TSE com o número BR-02853/2018.