Após mais um dia sem chuva, o sistema Cantareira, responsável por atender 5,2 milhões de pessoas na Grande São Paulo, voltou a registrar queda em sua capacidade neste sábado (17). Segundo relatório da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), o sistema passou de 16,2% para 16,1% - segundo o dado da companhia que considera duas cotas de volume morto, adicionadas no ano passado, como se fossem volume útil do sistema.

Segundo o índice negativo do Cantareira, que passou a ser divulgado após decisão judicial, a capacidade do manancial passou de -13,1% para -13,2%.

A estiagem dos últimos dias na capital paulista tem prejudicado a recuperação do nível de água do sistema. A última vez que o Cantareira registrou alta foi em 4 de outubro, quando subiu 0,1 ponto porcentual, para 16,7%.

Já passada mais da metade do mês, o manancial recebeu apenas 34% da quantidade média de chuva para outubro.

Hoje responsável pelo atendimento ao maior número de clientes da Sabesp (5,8 milhões), o Guarapiranga assim como o Cantareira não registrou chuva nas últimas 24 horas e teve queda de 0,4 ponto porcentual em sua capacidade, chegando a 76,7%.

Outros mananciais

O Alto Tietê caiu pelo nono dia consecutivo, passando de 14,5% para 14,4%. O índice já considera um volume morto acrescentado ao cálculo no ano passado. O sistema Rio Grande também registrou baixa de 0,1 ponto, para 85,6%, e o Alto Cotia caiu 0,4 ponto porcentual, para 59,1%.

O sistema Rio Claro foi o único que recebeu chuva nas últimas 24 horas, mas fraca, apenas 0,4 milímetros. Ainda assim, registrou perda no volume armazenado de água e passou de 55% para 54,6% de capacidade.