Sete em cada dez brasileiros realizaram algum tipo de reforma em suas residências nos últimos 12 meses, aponta um estudo realizado pela Casa do Construtor – rede franqueadora de locação de equipamentos para construção civil – em parceria com a empresa de pesquisas AGP. No total, 400 pessoas de todo o país foram ouvidas em setembro, por meio de questionário. Destes, a maior fatia dos que foram às obras estão na classe AB, com 78%, ante 54% da classe C.

Para Érika Medeiros, diretora da Associação Brasileira de Design de Interiores em Minas Gerais, a pesquisa reflete bem o que ocorreu a partir da pandemia de Covid-19, com a ressignificação do uso dos espaços domésticos – que também passaram a ser locais de trabalho –, ao maior tempo que as pessoas passaram a ficar em casa. “A pandemia fez com que as pessoas passassem a olhar mais para dentro de si e, neste sentido, a casa tem uma relação fundamental, pois deixou de ser apenas um local de descanso e guarda de bens pessoais para ser o ambiente de integração social, de trabalho, de única conexão com o mundo possível”, explica Érika.

Modo de reforma

A pesquisa mostra que a maioria dos entrevistados que optaram pelas reformas contrataram um prestador de serviços para realizar as obras, opção confirmada por 71% dos entrevistados. Outros 16% optaram pelo “faça você mesmo”, enquanto 13% contaram com a participação de um profissional contratado em apenas parte dos serviços.

A médica Ana Cecília Santos, de 40 anos, foi uma das que resolveram mudar o ambiente doméstico durante a pandemia. Com a chegada do pequeno Pedro Henrique, no início do ano, ela se viu na necessidade de criar um ambiente para o filho e aproveitou a oportunidade para mudar também o visual da sala e de outros ambientes. “A pandemia nos fez ficar mais tempo em casa e, com isso, a gente acaba tendo a necessidade de mudar o ambiente, torná-lo mais agradável, já que passamos mais tempo dentro de casa”, explica a médica.

Tendência

O levantamento mostra ainda que a intenção de fazer reformas em casa não deve diminuir com a retomada gradual das atividades profissionais, a partir do avanço da vacinação e a flexibilização das atividades comerciais. Segundo os dados, 77% das pessoas pertencentes às classes AB, que querem fazer reformas, vão continuar mexendo nas casas. Entre os da classe C, o índice alcança 60% das pessoas. 

Quanto aos cômodos reformados, a sala de estar/jantar e quarto aparecem empatados no primeiro lugar nas intenções (35%). Cozinha e banheiro (32% e 30%, respectivamente) vêm em seguida.

Os dados mostram também que 74% dos que vão realizar as reformas no próximo semestre pretendem contratar mão de obra especializada. 

Para Érika Medeiros, esta tendência de continuidade nas reformas é fruto dos resultados alcançados pelas intervenções já realizadas. “É um movimento que trouxe resultados positivos e que acaba gerando a sensação de que outros espaços que permaneceram intactos também merecem ser modificados, modernizados”, diz Érika. 

Consultorias

Outra tendência que deve nortear o mercado de reformas de imóveis domésticos para o pós-pandemia deve se concentrar em mudanças pontuais. Uma pesquisa feita pela Archademy, uma plataforma online de arquitetura e design de interiores, mostra que 77,5% dos projetos residenciais terão foco em mudanças pontuais. 

E com intervenções tão específicas, a tendência é pela contratação de consultorias para a melhor otimização de projetos e gastos. 

De acordo com Letícia Coutinho, responsável pelo atendimento a designs de interiores e arquitetos da Templuz – loja especializada em iluminação de ambientes –, essa nova demanda é acentuada pela busca de adaptações em determinados ambientes. “A consultoria é uma alternativa mais ágil, econômica e prática – a maior parte do trabalho pode ser feita de forma online –, e o profissional e o cliente nos traz as especificações conforme os desejos e as necessidades”, explica Letícia.

Outro perfil que tem procurado a ajuda especializada são de jovens casais que procuram um auxílio para montar o seu primeiro apartamento e querem soluções mais econômicas, porém, funcionais e bonitas. A especialista em marketing digital Isabela Lapa contratou uma especialista para montar o ambiente do apartamento que comprou junto com o noivo. “Queríamos montar um ambiente com a nossa cara, mas fazendo isso de uma maneira mais assertiva possível. Como nosso tempo é muito corrido, procuramos a profissional que nos auxiliou desde criar o projeto baseado no que queríamos até as compras de tudo, na montagem”, explica ela.