Com poucos cliques e no máximo de 24 horas de espera, o consumidor pode rechear a despensa sem sair de casa. Com mais apetite por comodidade e economia de tempo, é cada vez maior o número de donas – e donos - de casa que fazem as compras de supermercado e sacolão via internet.

Hoje, com mais estabelecimentos abrindo portas no universo digital, já é possível comprar de frutas e verduras higienizadas à cerveja importada, de sabão a camarão congelado.

Novato no segmento, o Sacolão Virtual BH se diz o único da capital com funcionamento exclusivo na internet. No centro de distribuição no bairro União, na região Nordeste, três funcionários fazem a separação, higienização com ozônio e embalagem dos hortifruti antes de as encomendas partirem rumo às residências dos clientes.

No total, são sete funcionários na equipe, além dos sócios Ian Loyola Tomich e Daniel Oliveira. “A procura está tão boa que já pensamos em dobrar a estrutura”, comemora Ian, que largou o emprego de correspondente bancário para dedicar-se à nova empresa, inaugurada há dois meses.

A ideia surgiu em uma conversa com o amigo Daniel, então estudante de agronegócio. Após planejamento de um ano, o sonho do próprio negócio foi realizado.

Apesar da pouquíssima idade, o Sacolão Virtual BH contabiliza uma média de 45 pedidos por dia. Às sextas e aos sábados, pico de movimento, são de 70 a 80 encomendas.

“Em menos de 60 dias já conseguimos superar o retorno esperado para seis meses”, diz Ian. O diferencial para o sucesso, segundo ele, é a possibilidade de entrega das 9 às 22 horas. E não há cobrança de taxa para pedidos na capital.

“Atendemos pessoas que trabalham o dia inteiro e não têm tempo. Muitas não possuem empregadas domésticas e por isso optam por receber as frutas e verduras já limpas. Por causa dessa comodidade, temos até restaurantes entre a nossa clientela”, afirma o empresário, que ainda cita o preço “barato” como outro atrativo.

Taxas

Para a coordenadora institucional da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor Proteste, Maria Inês Dolci, o consumidor precisa ficar atento. “Ao comprar pela internet, o consumidor nem sempre pagará menos. É um serviço para pessoas ocupadas que não querem perder tempo fazendo compras. Mas isso tem um custo. Daí a importância de verificar a taxa de entrega”, diz.

Super Nosso recebe 3 mil pedidos por mês via web

Pioneira do setor no comércio eletrônico na capital, a rede Super Nosso aposta no conceito da praticidade para atrair cada vez mais um número maior de clientes. De acordo com o gerente de E-commerce e Marketing Digital do grupo, Alex Prado, desde a abertura do canal online, no segundo semestre de 2013, as vendas no segmento crescem dois dígitos, ano após ano.

“Conseguimos alcançar a marca de 3.000 pedidos mensais, em média, com picos ainda mais altos nos meses de novembro e dezembro”, afirma. Mas ainda há muito espaço pra crescer. “No Rio e em São Paulo, por exemplo, o movimento é bem maior”, diz.

A equipe do Super Nosso em Casa conta com 82 funcionários fixos, nos setores de tecnologia, separação de mercadorias, atendimento e logística, fora a equipe responsável pela entrega. A rede atende toda a Região Metropolitana, mas o volume maior de compras é registrado na capital.

Prado diz que os ingredientes para o êxito são comodidade e qualidade. “O consumidor tem que receber em casa um produto melhor ou igual ao que ele compraria na loja física”, afirma. Os itens mais vendidos pela internet são voltados para a família.

Em segundo lugar, produtos femininos e masculinos têm mais saída, seguidos da linha gourmet e importados. “Tudo é entregue na porta de casa ou até dentro da cozinha”, propaga. A taxa de entrega é de R$ 24,90.