Supermercados gastam até 5% do faturamento em ações para combate à violência

Heraldo Leite
hleite@hojeemdia.com.br
31/08/2017 às 20:25.
Atualizado em 15/11/2021 às 10:21
 (Flávio Tavares)

(Flávio Tavares)

De cada R$ 100 em vendas no comércio de alimentos em Belo Horizonte, pelo menos R$ 1,30 é perdido para a violência, seja em um assalto à mão armada ou no furto de produtos praticado pelos próprios clientes.

O número preocupa comerciantes do setor, que traçam estratégias para aumentar a proteção dos estabelecimentos. Nos últimos 12 meses, mais da metade (54,4%) dos supermercados foi vítima de algum tipo de violência. Além dos prejuízos com perda de produtos, grande parte das empresas (67%) investe, em média, 5% do faturamento mensal com aparatos de segurança, entre circuitos internos de TV e alarmes.

Se considerarmos que o setor supermercadista faturou R$ 33,9 bilhões em Minas, em 2016, é como se até R$ 1,7 bilhão tivessem sido gastos no ano para combater a criminalidade.

Munido de uma extensa pesquisa que demonstra uma escalada da violência nos últimos 12 meses, o Sindicato do Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios de Belo Horizonte (Sincovaga) reuniu representantes do segmento e autoridades de segurança pública na tarde de ontem para buscar soluções em conjunto. O levantamento foi realizado em parceria com a Fecomércio MG.

Para o presidente do Sincovaga, Gilson de Deus Lopes, a situação também traz prejuízo aos consumidores, já que comerciantes começam a alterar a rotina fechando as lojas mais cedo e evitando trabalhar nos finais de semana. “Sem mencionar que o investimento feito em segurança poderia estar sendo aplicado em melhoria dos estoques ou no próprio capital de giro das empresas”, diz o presidente do Sincovaga.

De acordo com a pesquisa, 46% dos estabelecimentos instalaram circuito interno de TV e 26% optaram por um sistema de alarmes, justamente os aparelhos mais caros. “Percebemos o agravamento de uma sensação que vinha se desenhando. A situação é reflexo da crise econômica no país e que vem deteriorando as condições de segurança de uma forma geral”, avalia Gilson Lopes.

Além dos prejuízos com o roubo de produtos, ele também lamenta que o aumento nos assaltos à mão armada, por sua natureza extremamente violenta, acaba por afugentar a clientela, o que traz mais prejuízos com a queda nas vendas.

Dono de um supermercado no bairro Prado, ele mesmo conta que foi assaltado recentemente. “O assaltante simplesmente parou o carro no meio da rua, desceu, assaltou o caixa e voltou para o veículo que ficou no meio da via, sem ser interceptado”, lamenta.Flávio Tavares

Um dos itens mais usados para reforçar a prevenção de furtos é o circuito interno de TV

 Carrinhos de compras estão entre as principais ‘vítimas’

Na última semana, o segurança de uma das lojas do Decisão Atacarejo flagrou um homem vestido com terno e gravata colocando uma peça de picanha dentro da maleta.

“Acontece de tudo e as aparências não dizem nada. Em se tratando de roubo, não interessa se a pessoa está bem vestida ou não”, diz a gerente de Marketing do grupo, Valéria Bax.
Segundo ela, atualmente cerca de 20% do quadro de pessoal do Decisão é formado por funcionários focados na segurança e na prevenção de furtos.

Uma pequena bolada, o equivalente a quase 5% do faturamento da rede, é gasta mensalmente para combater a violência. “Temos um sistema grande de câmeras e fiscais rodando as lojas”, diz Valéria.
Os carrinhos de compras estão entre as “vítimas” preferidas. “Só na inauguração da última loja levaram dois. O prejuízo é grande, pois cada unidade custa entre R$ 330 e R$ 440”, afirma. Para tentar espantar os ladrões, a rede adotou o amarelo, que é um tom mais chamativo, como cor padrão dos carrinhos. “Esperamos que dê certo”, diz.

O presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios de Belo Horizonte, Gilson Lopes, afirma que “apesar de todo o esforço da polícia, as ações não tem sido suficientes”.
Segundo ele, a polícia precisa aumentar seu efetivo.
Presente à reunião, o coronel Winston Coelho Costa, responsável pelo Comando de Policiamento da Capital (CPC), contestou a falta de efetivo informando que são 5 mil policiais em toda a capital. “Este efetivo é suficiente”, garantiu.

O coronel queixou-se da legislação e informou que mais de 3 mil infratores já foram presos e soltos mais de uma vez, somente este ano. “Os crimes de menor potencial ofensivo acabam determinando a soltura. Então não adianta somente colocar mais 5 mil militares nas ruas”, afirmou.

A aposta de ambos - sindicato e PM está nas recém-implantadas bases móveis. Lopes destaca que as ações comunitárias têm apresentado bons resultados e que tem orientado os comerciantes a registrar o boletim de ocorrência. “A PM age de acordo com os dados que tem. Quanto mais informações, mas condições de agir”, diz.

Colaborou Janaína Oliveira

Compartilhar
Logotipo Hoje em DiaLogotipo Hoje em Dia

Fale conosco: (31) 3253-2207

ASSINEDigitalATENDIMENTO AO ASSINANTEBelo Horizonte 31 3236-8000Interior 31 3236-8000
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por