Os suspeitos do assassinato da vereadora carioca Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes deixaram  nesta quinta-feira (14) a Delegacia de Homicídios da Capital, na Barra da Tijuca, com destino ao Instituto Médico-Legal, no centro, para exame de corpo de delito. Após a perícia, eles serão encaminhados para a Cadeia Pública em Benfica, na zona norte, onde devem passar por audiências de custódia.

Ronnie Lessa, suspeito de efetuar os disparos, e Élcio Vieira de Queiroz, suspeito de ter dirigido o carro que seguiu a vereadora, estavam detidos na delegacia desde terça-feira, quando a Polícia Civil e o Ministério Público deflagraram uma operação para cumprir 34 mandados de busca e apreensão e as duas prisões.

No cumprimento dos mandados, a polícia encontrou peças para a montagem de 117 fuzis na casa de Alexandre Motta. Ele afirma que apenas guardava as caixas a pedido do amigo Ronnie Lessa. Motta foi preso em flagrante e passará hoje por audiência de custódia. A defesa do suposto atirador nega que os armamentos e as munições sejam dele.

As defesas dos três suspeitos afirmam que eles são inocentes e negam as acusações.

Leia mais:
Por mortos de Brumadinho e Marielle, mulheres do MST bloqueiam trem em Sarzedo
Um ano após crime, Rio é tomado por homenagens à Marielle e Anderson
Mandante é questão para 2ª fase do caso Marielle, dizem autoridades
DEM expulsa filiado suspeito de participar do assassinato de Marielle
Mulheres de movimentos populares ocupam fazenda de João de Deus