Sejamos francos, todo mundo que curte automóveis deseja ter um esportivo na garagem. Aquele cupê, conversível ou sedã apimentado, com motor potente, suspensão arriada, escapamento nervoso, rodas grandes, aerofólio e tudo mais que um carrão bandido merece. O problema é que eles são caros. Muito caros. O esportivo mais em conta não sai por menos de R$ 150 mil, e quanto mais sofisticado, mais caros são.

Por outro lado, há quem queira apenas um carro com visual esportivo, sem precisar gastar os tubos com uma mecânica de alto desempenho. Basta ver a quantidade de populares que recebem rodões, suspensão rebaixada e penduricalhos para ficarem mais invocados.

De olho nesse nicho, a Fiat lançou o Cronos HGT. O sedã assume o topo da linha, ficando acima do Precision 1.8 AT6, com preço inicial em R$ 78.480, em função das novas rodas aro 17, pneus de perfil mais baixo e o “Kit Dominic Toretto”, que inclui aerofólio, emblemas, frisos e retrovisores e forração interna em tom preto. O comprador também pode optar pelo teto pintado em preto, que é oferecido como opcional.

Em termos práticos não há diferença entre o HGT e as demais versões do Cronos equipadas com motor 1.8 de 139 cv e transmissão automática de seis marchas. Ele oferece o mesmo padrão de conforto das versões “caretas” e, segundo a Fiat, a única alteração técnica está nos pneus, que por terem ombros mais estreitos e banda mais larga podem deixar um “tiquinho” mais duro.

Não mexer na suspensão, calibragem da direção, relação de marchas, escapamento ou mapeamento do motor, além de ser uma decisão de não elevar custos, também não impacta no nível de conforto e comodidade que um consumidor de sedã espera.

A proposta é apenas entregar para o cliente a ideia de que o Cronos é uma Alfa Giulia Quadrifoglio, mesmo sem um V6 de 510 cv. Afinal, pra quê acelerar, se o negócio é desfilar devagarzinho?

Raio-x Fiat Cronos HGT 1.8

O que é?
Sedã compacto, quatro portas e cinco lugares.

Onde é feito?
Fabricado na planta de Córdoba (Argentina).

Quanto custa?
Entrada: R$ 78.480
Testado: R$ 84.990

Com quem concorre?
O Cronos HGT é tecnicamente igual ao Precision, mas com visual esportivo. Assim ele concorre com os mesmos rivais como Chevrolet Cobalt LTZ 1.8 AT6, Honda City EXL 1.5 CVT , Toyota Yaris XLS1.5 CVT e Volkswagen Virtus Highline 1.0 AT6.

No dia a dia
A versão HGT estreia como opção para quem busca um automóvel com estilo esportivo, mas não pode pagar por um esportivo nato e também não quer abrir mão da comodidade de um automóvel familiar.

Um dos pontos positivos desse carro é que ele oferece pacote farto de conteúdos. A versão testada está equipada com ar-condicionado digital, sensores de ré, chuva e acendimento automático dos faróis, retrovisores elétricos, vidros elétricos nas quatro portas, multimídia de sete polegadas e câmera de ré (opcional), que se somam à direção elétrica, rodas de liga leve aro 17 e faróis de neblina. O único item que não figurava na unidade eram os bancos revestidos em couro sintético, o que acresceria o valor em mais R$ 1.500.

O Cronos tem arquitetura que privilegia o espaço interno, tanto para quem viaja na frente quanto atrás. Já os 520 litros do porta-malas fazem dele um dos melhores do segmento.

Motor e transmissão
O motor Etorq Evo 1.8 16v de 139 cv e 19,2 mkgf não passou por modificações para atender ao visual mais agressivo. Mesmo assim, ele oferece boas respostas e agilidade. Mas sua caixa automática de seis marchas tem programação que privilegia a eficiência e o conforto, sem opção de modo esportivo. Para quem se sentir sugestionado pelo aerofólio, o máximo que ele oferece é a opção de troca manual, pelas borboletas.

Como bebe?
Abastecido com álcool, registrou média de 6,2 km/l no trajeto e urbano, bem abaixo dos demais testes com combustível verde em trajetos mistos.

Suspensão e freios
A suspensão do Cronos é composta por eixo rígido na traseira e independente McPherson na frente. Para quem busca conforto, o acerto é macio e não sacrifica a coluna. Ele absorve muito bem as irregularidades do piso, elevando a sensação de conforto.

Já os freios utilizam discos na frente e tambores na traseira. Além disso, contam com distribuição de carga, assistente de partida em rampa (Hill Holder) e controles de tração e estabilidade.