O Honda Accord já teve dias de glória no mercado brasileiro. Chegou no início dos anos 1990, junto com o Civic e nunca negou a vocação de carro de luxo por aqui. Mas com o passar dos anos e mudanças nas regras de importação, o sedã japonês foi perdendo espaço, principalmente para os médios alemães da trinca Audi, BMW e Mercedes. 

Mas o Accord não morreu. Pelo contrário, ele tem se modernizado e a nova geração oferece um pacote de conteúdo que não fica atrás de nenhum executivo premium europeu. Testamos a versão Touring, única disponível no Brasil e com preço sugerido de R$ 198.500. 

Atualizado em 2017, o sedã herdou o mesmo estilo de carroceria do Civic, com queda da coluna C bem mais suave, como nos modelos fastback, ao invés dos três volumes bem definidos como nos sedãs convencionais. E o resultado da mudança foi mais que positivo. O Accord foi o décimo automóvel mais vendido nos Estados Unidos em 2018, com 322 mil unidades. Por lá, figura no segmento de médios, enquanto o Civic é tido como um compacto. Mas trata-se de um gigante de quase 5 metros.

Assistências
A lista de conteúdos é longa, mas o que chama atenção é o sistema Sensing, que inclui parafernálias como controle de cruzeiro ativo (ACC), monitor de faixa de rodagem, alerta de colisão e assistente de frenagem de emergência. Tudo isso forma um pacote de auxílio de condução que não apenas amplia a segurança ao volante, mas dá mais um passo em sistemas de condução em que o carro assume mais responsabilidades. 

Motor
Mas a cereja desse farto bolo é o motor VTEC Turbo 2.0 de 256 cv e 37,7 mkgf, combinado com uma caixa automática de 10 marchas, que dão ao Accord um comportamento bipolar. Ele pode ser um pacato sedã familiar ou um bólido esportivo de ronco áspero. Basta acionar os botões do modo Eco ou Sport. Nem de longe lembra o beberrão 2.4 16v do passado.

E por falar em botões, a transmissão abandonou a alavanca e conta com quatro botões P, N, D e R com formatos distintos, o que torna o acionamento bastante intuitivo. O manuseio chega a lembrar o sistema que Fiat utiliza nos modelos equipados com caixa automatizada. Mas é só a lógica de uso. Que fique bem claro.

Raio-x Honda Accord Touring 2.0

O que é?
Sedã grande de cinco lugares.

Onde é feito?
Produzido na unidade de Ohio (EUA).

Quanto custa?
R$ 198.500

Com quem concorre?
Considerando porte e preço, o Accord concorre no Brasil basicamente com três modelos: Ford Fusion Titaninum 2.0 (R$ 179.900), Toyota Camry XLE 3.5 (R$ 206.200) e Volkswagen Passat Highline 2.0 (R$ 164.620).

No dia a dia
O Accord é um carro extremamente sofisticado, que oferece muito conforto, espaço e conteúdos. Com acabamento primoroso, em que se destaca a qualidade dos materiais (que inclui alumínio e madeira, além de couro e material emborrachado) e isolamento acústico impecável, ele é um carro que literalmente mima o motorista e oferece espaço generoso para cinco ocupantes. O porta malas de 574 litros também permite acomodar muita bagagem.

A lista de conteúdos conta com bancos elétricos para motorista (com duas posições de memória) e passageiro, com direito a ventilação para as costas, sistema de áudio de alta fidelidade, ar-condicionado digital de duas zonas, com saída central para os bancos de trás, além de multimídia com duas câmeras: uma de ré e uma segunda instalada no retrovisor direito. Esta é acionada sempre que o motorista sinaliza.

Ele ainda oferece projeção de velocímetro no para-brisas (Head-Up Display), conexão com smartphone, quadro de instrumentos parcialmente digital (o velocímetro segue analógico) e recuo automático do banco do motorista quando se desliga o motor, para facilitar a saída. Tudo isso somado a um kit de oito bolsas infláveis.

Motor e transmissão
A unidade i-VTEC turbo 2.0 de 256 cv e 37,7 mkgf de torque faz um casamento perfeito com a caixa automática de 10 marchas. Trata-se de um conjunto que entrega torque e potência a qualquer instante. O sistema de gerenciamento permite ajustar o carro para rodar de forma mais eficiente ou com uma pegada mais esportiva, em que todo o vigor do turbo pode ser visto no quadro de instrumentos.

Como bebe?
Com uso exclusivo de gasolina, e com o modo Eco ativado, o Accord registrou consumo médio de 7,6 km/l no trajeto urbano. Um consumo excelente para um gigante de quase 1,6 tonelada.

Suspensão e freios
O pacote de suspensão desse sedã impressiona pelo acerto que privilegia o conforto e também a estabilidade. Com conjuntos independentes do tipo McPherson, nas rodas dianteiras, e multilink na traseira, ela absorve as irregularidades do piso se transmitir para a cabine. Nas curvas em alta velocidade, o sedã de 4,89 metros não oscila. E mesmo quando ele tende a chacoalhar, o que não é fácil, os controles de estabilidade (ESP) e tração entram em ação.

Os freios utilizam discos nas quatro rodas, e contam com auxílio de partida em rampa (Hill Holder), além do sistema Auto Hold, que mantém os freios pressionados sem a necessidade de manter o pé no pedal. 

Pontos positivos
Acabamento
Conforto
Conteúdo
Motor 
Consumo 

Ponto negativo
Ainda não encontrei!