Quando a BMW lançou o X6 com seu estilo cupê, pegou todo mundo de surpresa e acabou criando um subgênero para o segmento de utilitários-esportivos. Era a maneira de entregar estilo mais arrojado às abrutalhadas formas retangulares do SUV. Hoje os utilitários com esse recurso estético estão em alta, o que motivou a Volkswagen a desenvolver o Nivus.

 

O aventureiro que compartilha base com Polo e T-Cross é o meio-termo entre os dois modelos. No entanto, se destaca pelo visual indefectível. O modelo tem estilo único, desde seção frontal à traseira. 

Por dentro, o Nivus é como seus irmãos, mas o destaque fica por conta da central multimídia VW Play. A tela desenvolvida pela engenharia brasileira tem funcionamento semelhante ao de um telefone, aplicativos instalados nativamente, armazenamento interno de 10GB e conexão com Apple CarPlay sem fio.

Sob o capô o Nivus é equipado apenas com motor 200 TSI 1.0 de 128 cv e 20 mkgf, acoplado com transmissão automática de seis marchas. Nada de motor MSI 1.6 de 120 cv ou o apimentado 250 TSI de 150 cv. E ao contrário do T-Cross a VW descartou a transmissão manual. Dessa forma, o Nivus tem apenas duas versões: Comfortline (R$ 85.890) e Highline (R$ 98.290). 

Testamos a versão topo de linha, que impressiona pelo pacote de conteúdos, mas não surpreende pelo valor que é cobrado. Ainda quando se pensa que, tecnicamente, o Nivus é um Polo anabolizado, mesmo que muito charmoso, é R$ 10 mil mais caro. 

Emocional

A escolha do Nivus em relação ao Polo é puramente emocional. Afinal, os dois carros são basicamente idênticos, quando se analisa atributos técnicos, como motor, transmissão e principais conteúdos. Claro que o VW Play e o controle de cruzeiro adaptativo (ACC) são tecnologias que elevam o preço, mas é nítido que muito do que está na etiqueta do Nivus é o fator emocional causado pelo desejo do consumidor em levar um SUV para casa, mesmo que ele seja apenas um aventureiro, que compartilha base e grande parte dos componentes com o hatch.

Mas diante do T-Cross, o Nivus é uma opção bem mais atraente, e não estamos falando apenas do estilo arrebatador do modelo, mas também na escala de preços. O T-Cross encareceu demais, o que faz do Nivus uma boa pedida.

Raio-x Volkswagen Nivus Highline 1.0

O que é?
Utilitário-esportivo (SUV) compacto, quatro portas e cinco lugares.

Onde é feito?
Fabricado na unidade Anchieta, em São Bernardo do Campo (SP).

Quanto custa?
R$ 98.290

Com quem concorre?
O Nivus é um modelo aventureiro, que se posiciona acima dos hatches aventureiros, mas que também não concorre diretamente com os utilitários-esportivos. Mas quando se projeta na faixa de preços, ele acaba disputando mercado com modelos como Chevrolet Tracker, Citron C4 Cactus, Honda HR-V, Jeep Renegade, Nissan Kicks, Peugeot 2008, Renault Captur e o próprio T-Cross, que orbitam na casa dos R$ 100 mil.

No dia a dia
O Nivus se comporta como o Polo na cidade. Apesar de maior e mais alto, seu comportamento dinâmico não se diferencia muito do hatch. No uso cotidiano, ele oferece o mesmo espaço interno, assim como ergonomia. Seu pacote de conteúdos também é parelho às versões Highline do hatch, com direção elétrica, ar-condicionado digital, retrovisores elétricos (com rebatimento), partida sem chave, multimídia VW Play e controle de cruzeiro adaptativo (ACC).

Um dos destaques é o multimídia. Além dos aplicativos que independem do telefone e a conexão sem fio para iPhone, ele ainda oferece câmera de ré e ajustes do automóvel. 

O acabamento segue o padrão da família, com plásticos duros para todos os lados, que pode parecer precário num carro de quase R$ 100 mil. Os bancos utilizam forração em couro, que eleva o garbo do aventureiro. O material também aparece nos encosto de cotovelos nas portas e no console central.

Motor e transmissão
A unidade 200 TSI 1.0 de 128 cv e 20 mkgf de torque se mostra bastante eficiente no Nivus. A unidade entrega todo torque em baixa rotação, o que garante boa aceleração e fôlego nas retomadas em qualquer situação. A transmissão automática de seis marchas é a mesma que equipa as demais versões automáticas da marca, com trocas rápidas e suaves.

Como bebe?
Testamos o Nivus com álcool. Com combustível verde a média foi de 8,4 km/l na cidade.

Suspensão e freios 
O Nivus utiliza conjunto de suspensão independente, do tipo McPherson, na dianteira e eixo de torção na traseira. Seus freios são a discos ventilados, na frente, e discos sólidos na traseira. Ele ainda conta com ESP, controle de tração e assistente de partida em rampa (Hill Holder).

Palavra final
O Nivus é um carro que oferece basicamente tudo que o Polo entrega, mas agrega o lastro de SUV, mesmo não sendo propriamente um utilitário, assim como um visual arrojado que encanta aos olhos. Apesar de caro, o Nivus é um carro muito prazeroso de dirigir. 

Quando se compara com o Polo Highline, elé R$ 10 mil mais caro, o que faz sua escolha ser mais emocional do que racional. No entanto, quando se compara com o T-Cross, O Nivus é mais barato que a versão de entrada com transmissão automática do jipinho. Aí não há o que discutir, o Nivus é bem mais legal.