Nos 40 anos de mercado brasileiro, a Fiat deu dois grandes pulos do gato. O primeiro foi com a Strada, picape leve que segue em linha há mais de 20 anos e domina o segmento. O segundo pulo, mais recente, está mais para pulo do boi. A Toro chegou como uma proposta de picape intermediária, assim como a Renault Duster Oroch, mas se destacou pelo design atraente e por se portar como um sedã com caçamba.

Não demorou para o modelo se tornar líder de vendas num segmento que mistura as intermediárias (como ela) e as médias, como S10, Hilux, Frontier, Ranger, Amarok e L200. A versão turbodiesel 2.0 de 170 cv e tração 4x4 oferece capacidade de carga semelhante às concorrentes maiores. Mas com essa configuração a Toro fica muito cara e não seria capaz de gerar o volume de 45 mil unidades (de janeiro a setembro), de acordo com balanço da Fenabrave.



 

Quem fecha a conta da Toro são as versões com motor 1.8 flex, como a Freedom AT6 que acabamos de testar. Esse carro chega como uma opção para quem precisa da praticidade da caçamba, mas não abre mão de comodidades como caixa automática, ar-condicionado digital de duas zonas e multimídia.

Cidade e sítio
Ele é o carro para aquele cliente que precisa de um automóvel para transportar a família durante os dias úteis e encher a caçamba aos fins de semana e feriados. Com valores que se assemelham às versões intermediárias dos sedãs médios como Corolla, pode ser uma boa opção.

Ela bem que pode ser utilizada para aplicações profissionais, mas seu preço inicial de R$ 112.490 não faz dela o melhor negócio. A marca oferece uma versão mais despojada, a Endurance 1.8, com caixa manual, na casa dos R$ 94 mil. Se o preço ainda for salgado para quem precisa de um carro para a lida, uma Strada pode ser tão eficiente quanto, assim como a Renault Duster Oroch, que também suporta carga na casa dos 600 quilos.

Raio-x Fiat Toro Freedon 1.8 AT6

O que é?
Picape intermediária, quatro portas e cinco lugares.

Onde é feita?
Fabricada na unidade de Goiana (PE).

Quanto custa?
Básico - R$ 112.490
Testado - R$ 117.690

Com quem concorre?
Pela capacidade de carga, de 650 quilos, a Toro com motor flex concorre apenas com a Renault Duster Oroch. Versão Freedon AT6 tem como rival a Oroch Dynamic 2.0 AT4 (R$ 82.390)

No dia a dia
Esse é um carro para quem precisa conciliar espaço para carga e para passageiros, mas não pode pagar pelas versões mais sofisticadas ou apostar numa média.

A Toro é uma picape que oferece comportamento de um automóvel de passeio. Sua plataforma herdada do Jeep Renegade contribui para a boa posição ao volante. A versão Freedom AT6 surge como uma opção para quem busca comodidade de não ter que trocar marchas manualmente.

Seu pacote de conteúdos de série inclui direção elétrica, ar-condicionado digital de duas zonas, multimídia (com tela de sete polegadas, Android Auto, Apple CarPlay, GPS, USB e Bluetooth), computador de bordo com tela TFT de 3,5 polegadas, trio elétrico (vidros, travas e retrovisores elétricos), controle de estabilidade (ESP), assistente de partida em rampa (Hill Holder), capota marítima, faróis de neblina e rodas de liga leve, aro 16. Opcionalmente ela pode receber bancos em couro, descanso de braço, santo-antônio e outros acessórios.

Motor e Transmissão
O motor 1.8 de 139 cv e 19,3 mkgf combinado com a transmissão de seis marchas está longe de oferecer o vigor do motor diesel de 170 cv e do 2.4 flex de 186 cv. Isso porque o motor gasta boa parte de sua força para deslocar seus 1.600 quilos.

A caixa de seis marchas resolve bem, com trocas suaves e é um alento nas constantes reduções em busca de fôlego, que não precisam ser feitas com o pé esquerdo e a mão direita.

Como bebe?
A média de consumo com álcool foi de 5,6 km/l (cidade) e 8,0 km/l (estrada).

Suspensão e freios
Apesar de não ser uma picape com capacidade de carga elevada, sua suspensão é muito firme, não tanto quanto numa picape com feixe de molas, mas é dura. Por outro lado, o conjunto multilink na traseira faz dela bem mais estável que as médias, que oscilam muito.

O sistema de freio se destaca por oferecer assistente de partida em rampa (hill holder) casado com o controle de estabilidade (ESP) que torna as arrancadas mais seguras na subida.

Pontos positivos
Conforto
Conteúdos de série

Pontos negativos
Motor
Consumo