Garantir que as escolas públicas em Minas, fechadas desde março em consequência da pandemia de Covid-19, estejam em condições de receber as seções eleitorais para a escolha de prefeitos e vereadores em novembro. Uma das principais preocupações do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MG) foi levada nesta quarta-feira ao governador Romeu Zema (Novo), na Cidade Administrativa.

Presidente do órgão, o desembargador Alexandre Victor de Carvalho apresentou o projeto Parceiros da Democracia, criado para atrair o apoio de instituições públicas e privadas, de modo a garantir as perfeitas condições dos locais de votação no Estado, inclusive no que diz respeito aos protocolos sanitários determinados a partir da pandemia de Covid-19. Os dois assinaram um termo de cooperação em que o Executivo se une ao esforço.

O desembargador lembrou que o cenário excepcional, com a suspensão das aulas presenciais, exigirá em muitos casos reparos e ajustes, especialmente na rede elétrica, inclusive para o perfeito funcionamento das urnas eletrônicas - as escolas concentram a maioria das seções eleitorais em Minas. “Estas eleições serão muito diferentes das eleições anteriores, a pandemia vai nos exigir demais", ressaltou.

Zema se comprometeu a elaborar um plano de ação para levantar as intervenções necessárias e fornecer apoio para o trabalho. Além disso, o termo assinado prevê incentivo aos servidores para que se inscrevam como mesários voluntários. "Estaremos disponíveis para qualquer outra necessidade, porque queremos que esta eleição ocorra da maneira mais fluida e tranquila possível. A democracia tem que ser construída por meio desse trabalho de todos nós”, disse.

Ao todo, serão 44.338 seções eleitorais em Minas no primeiro turno. E eventuais 11.805 nos nove municípios em que pode haver segundo turno - BH, Betim, Contagem, Governador Valadares, Juiz de Fora, Montes Claros, Ribeirão das Neves, Uberaba e Uberlândia.