O projeto Voe Minas Gerais inaugura, ao longo desta semana, mais quatro linhas aéreas ligando o Aeroporto da Pampulha a municípios do interior do Estado. As cidades contempladas são Governador Valadares, no Vale do Rio Doce; Ipatinga, no Vale do Aço; Patrocínio, no Triângulo Mineiro; e Piumhi, na região Oeste.

O primeiro voo do novo projeto saiu de Belo Horizonte nesta segunda-feira (20), com destino a Piumhi. As cidades de Governador Valadares e Patrocínio também foram destinos de voos nesta segunda-feira e o primeiro horário para Ipatinga é nesta terça-feira (21).

Para Patrocínio e Piumhi, as linhas são inéditas. Já para Ipatinga e Governador Valadares, os novos horários são complementos a rotas já existentes.

Willer Larry Furtado, diretor de Serviços da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemge), que opera o projeto, explicou que as rotas são definidas a partir da demanda pelo serviço em cada cidade. A partir de então, as rotas são avaliadas e testadas a fim de medir a viabilidade do serviço. “No caso das quatro cidades que foram incluídas agora, será feito um período de teste de aproximadamente 90 dias para testar se o trecho vai ser realmente demandado”.

Na prática

Quem quiser usar o transporte aéreo de BH para um dos novos destinos ou desses municípios para a capital pode comprar as passagens pelo site do projeto ou nos aeroportos correspondentes.

O valor dos bilhetes varia entre R$ 250 e R$ 550, sendo mais caro nos voos que partem do Aeroporto da Pampulha.

Piumhi terá voos diretos nas segundas e sextas-feiras, de ida e volta no mesmo dia, além de opções Piumhi/BH, nas quartas; e BH/Piumhi, nas quintas. Ipatinga e Governador Valadares terão voos nas segundas, quartas e sextas-feiras.

Voe Minas Gerais

A expansão da malha aérea vem em um momento de celebração, quando o projeto completa dois anos de operação. “Somos pioneiros no Brasil com esse conceito de atendimento a regiões do Estado utilizando estrutura já existente e estamos sendo referência para outros projetos no país, como no Rio Grande do Sul, onde já deve ser inaugurado um programa parecido nos próximos meses”, contou Furtado.

Desde sua fundação, em agosto de 2016, foram investidos R$ 22 milhões no Voe Minas Gerais. Cerca de 23 mil passageiros foram atendidos pelos 6.535 voos realizados. De acordo com Furtado, o modelo em que o programa opera permite um ótimo custo-benefício tanto para o governo quanto para a população. “A gestão possibilita custos mais reduzidos graças à flexibilidade das operações, que podem ser testadas e avaliadas sem que haja um investimento alto em infraestrutura. Nossos resultados são bastante positivos”.

Esta, segundo o Furtado, é a oitava versão do projeto, que inicia uma nova sempre que são inseridas ou retiradas rotas. Ainda nesta versão, a linha que ligava BH à cidade de Nanuque, no Vale do Mucuri, foi cancelada por baixa demanda. Agora, os passageiros com esse destino podem procurar voos para a cidade de Teófilo Otoni.