A concorrência com os estados que têm sol e praia já é, de cara, desleal para Minas Gerais. Quando se trata de atrair turistas, especialmente do exterior, Minas Gerais já sai em desvantagem na corrida. Mas nosso Estado tem lá seus muitos trunfos. A gastronomia, a história e as belezas naturais são as principais armas de Minas, que ganha mais munição com a proximidade da Copa das Confederações, no ano que vem, e a Copa do Mundo de 2014.

“Dos turistas estrangeiros que visitam o Brasil a cada ano, 70% deles vêm à procura de sol e praia. Só aí, Minas já perde muito terreno. Temos que atraí-los com outros atributos”, defende o secretário de Estado de Turismo de Minas Gerais, Agostinho Patrus Filho, em balanço que fez da gestão de sua pasta neste ano.

Em 2012, a Secretaria de Turismo de Minas trabalhou em duas frentes: fomentar o fluxo turístico com os Estados do Sudeste, que fazem divisa com Minas (Rio, São Paulo e Espírito Santo, principalmente), e o exterior.

“Promovemos os circuitos turísticos que integram destinos do Sudeste. Fizemos isso na Abav e também no exterior. Estamos trabalhando o Sudeste como um destino comum”, explicou o secretário.

Segundo Patrus, uma prioridade é promover Minas nos países que respondem por 80% da emissão de turistas estrangeiros que visitam o Estado: os Estados Unidos (com 27,3%), Portugal (15,3%), Argentina (10,9%), Itália (9,7%), Espanha (4,3%), Alemanha (4,3%), França (3,6%), Inglaterra (3,1%) e Uruguai (2,3%). “Neste ano de 2012, visitamos os Estados Unidos, Portugal, Argentina, França e Inglaterra”, lembra Patrus Filho.


Loucos por futebol

Para 2013, as atenções vão se concentrar nos países com tradição futebolística, como Itália, Espanha, Alemanha e Uruguai, além dos próprios Estados Unidos, “o país que mais turistas envia para qualquer Copa do Mundo”, explicou Agostinho.

A Copa do Mundo e a Copa das Confederações serão os principais chamarizes de turistas de Minas nos próximos dois anos.