O Uber, assim como outros aplicativos de transporte, tornou-se o sustento de muita gente. E para aumentar a rentabilidade, nada como unir baixo custo de manutenção, preço acessível, espaço e bom consumo de combustível na ferramenta de trabalho. Para quem busca um automóvel que atenda a esses parâmetros, o Renault Sandero tornou-se o modelo mais popular entre os motoristas da plataforma, segundo a própria empresa. 

A popularidade é tamanha que ele supera modelos como Onix (terceiro mais utilizado na plataforma) e o veterano Gol (segundo mais utilizado). Recentemente, um motorista da Uber, “seu” Eduardo, que dirigia um Sandero, comentou sobre o carro. 

“Esse aqui é alugado, mas vale a pena pois o carro tem consumo baixo, bom espaço interno, o que contribui para melhor avaliação”, explica o motorista, que afirma rodar mais de 5 mil quilômetros por mês. 

“Eu prefiro alugar, pois não tenho preocupação com oficina. No fim do mês, entrego e retiro outro revisado. Mas um colega que roda com um próprio afirma que a manutenção não é puxada”, completa.

Quem trabalha com aplicativos sabe que para dar conta do orçamento da família é preciso rodar bastante todos os dias. Os 5 mil quilômetros mensais de “seu” Eduardo não são difíceis de atingir quando se roda grandes quilometragens diariamente. E nessa hora, o máximo que se consegue com um litro de combustível impacta no ganho. Quando testamos o Sandero 1.0 12v, ele registrou consumo na ordem 13,5 km/l, com gasolina.

E quanto vale o show?
Para quem pretende fazer dinheiro rodando pela Uber ou demais aplicativos, e pensa num Sandero usado, o melhor a fazer é buscar uma unidade da atual geração. Servirá mais tempo no aplicativo, que não aceita automóveis com mais de oito anos de uso.

Segundo a Fipe, as avaliações do Sandero entre 2015 e 2018 variam de R$ 27.500 a R$ 53.480, dependendo do motor (1.0 16v, 1.0 12v, 1.6 8v e 1.6 16v), caixa (manual ou automatizada) e versão de acabamento. Por razões óbvias, não contabilizamos a versão R.S 2.0, por se tratar de um esportivo, com consumo bem mais elevado que os demais.

E no varejo os valores seguem o mesmo caminho. As opções mais baratas são ofertadas por R$ 26.500, enquanto as mais caras não superam R$ 54 mil.

Os pecados desse Renault são o acabamento pobre, o isolamento acústico pouco eficiente, mas que são características que não comprometem a percepção do passageiro que fica poucos minutos a bordo e que podem passar despercebidas quando a balinha é daquela que todo mundo gosta.

Ficou interessado num Sandero? Então confere aí!