O estoque de imóveis disponíveis para venda em Belo Horizonte e Nova Lima caiu 21,78%, passando de 4.638 unidades em dezembro de 2017 para 3.628 em igual mês do ano passado, segundo dados divulgados nessa segunda (18) pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil de Minas Gerais (Sinduscon). Esse recuo representa o menor patamar da série histórica do Censo Imobiliário da entidade. Por outro lado, houve um salto de 41,15% na venda de imóveis novos em 2018 (3.440 unidades) em relação ao ano anterior (2.420).

De acordo com o Sinduscon, os números demonstram que, nos últimos três anos, o mercado imobiliário da capital mineira e de Nova Lima vendeu mais do que lançou, fazendo com que a oferta disponível de imóveis novos venha diminuindo ano a ano. 

O Censo Imobiliário também mostra que das unidades em estoque, 66,92% estão concentradas em quatro regiões de Belo Horizonte: Pampulha, Centro Sul, Oeste e Venda Nova. A Pampulha se destaca com 793 unidades, 21,9% do total disponível para comercialização.

Em dezembro de 2018, do total de 3.628 unidades disponíveis, 1.071 (29,5%) eram do padrão econômico. Em segundo lugar, apareciam os apartamentos com padrão médio, valores entre R$ 400.001 e R$ 700 mil, que somavam 979 unidades (27% do total).

“Se não houver mais incremento no lançamento, pode vir a faltar imóveis novos na capital mineira. Esse é um receio que os dirigentes do setor têm, caso o novo Plano Diretor seja aprovado como está”, disse Renato Michel, vice-presidente da Área Imobiliária do Sinduscon.