Todo dia é a mesma história: seja pela manhã, à tarde ou à noite, sempre ocorrem colisões de automóveis. Muitos brandos, outros graves. Fato é que não se passa um dia sequer sem acidente. Além de transtornos, eles geram sequelas com feridos e óbitos. A Volvo quer acabar com tudo isso.

A marca sueca espera eliminar as colisões entre automóveis a partir da próxima geração de veículos. Para isso, a marca sueca tem investido em tecnologias de segurança para impedir que um carro atinja o outro.

O projeto é ambicioso e demanda uma combinação de hardware e softwares que trabalham com largas cargas de dados em tempo real. Para isso, a Volvo e a parceira Zenseact se juntaram para criar uma fábrica de dados com mais 200 PebiBytes. 

O volume corresponde a 225 milhões de gigabytes que serão produzidos nos próximos anos e processados por sistemas de inteligência artificial.

“A segurança é parte de nossa herança e a espinha dorsal de nossa empresa, mas o software é uma parte crucial de nosso DNA moderno. Portanto, enquanto continuamos a desenvolver a experiência de 50 anos da Equipe de Pesquisa de Acidentes da Volvo Cars, líder do setor, agora também podemos aproveitar a IA como uma nova equipe virtual de pesquisa de acidentes”, afirma Mats Moberg, chefe de P&D da Volvo Cars.

Mas para que o projeto funcione é preciso que clientes participem do projeto, em que seus automóveis serviriam de base para a experimentação em condições reais.

“Com a ajuda de dados da vida real, podemos acelerar nossos processos de desenvolvimento e ir de anos para dias. Como a coleta em tempo real gera muito mais dados, podemos criar conjuntos de dados melhores e de alta qualidade que nos permitem tomar decisões melhores e mais rápidas sobre os próximos avanços em segurança. Estamos dando um salto gigantesco para aumentar a segurança dentro e ao redor de nossos carros”, explica Ödgärd Andersson, CEO da Zenseact, braço de software de direção autônomo da Volvo Cars.

Assim a Volvo espera que batidas de trânsito deixem de existir no futuro, pois os carros seriam capazes de perceber a rota de colisão e evitar o acidente. A combinação de sensores e de um sistema integrado faria com que cada veículo se comunicasse com o outro.