O aplicativo de mensagens WhatsApp informou nesta quinta-feira (18) em nota que investiga o suposto disparo em massa de mensagens contra o Partido dos Trabalhadores por empresários que apoiam o candidato Jair Bolsonaro (PSL). O caso foi revelado pelo jornal Folha de S.Paulo.

O aplicativo confirmou a abertura da investigação em nota enviada ao Estado. O Whatsapp, ainda na nota, afirma que "tem proativamente banido centenas de contas durante o período das eleições brasileiras".

"Temos tecnologia de ponta para detecção de spam que identifica contas com comportamento anormal ou automatizado, para que não possam ser usadas para espalhar spam ou desinformação" diz a nota.

Segundo a Folha, os disparos de milhões de mensagens são comprados por empresas que apoiam o candidato por até R$ 12 milhões. A reportagem afirma que os preços variam de oito a doze centavos por mensagem para contatos de bases de dados fornecidas pelo candidato e das agências que prestam esse tipo de serviço.

Sobre o envio em massas de mensagens via o aplicativo, o Whatsapp afirmou que está comprometido em reforças suas políticas para proteger a experiência do consumidor. "No mundo, o limite de membros para grupos é 256 pessoas. Para encaminhamento de mensagens, há um limite global de 20 mensagens (exceto na Índia, onde o limite são cinco mensagens)", diz a nota. (Fabio Serapião e Rafael Moraes Moura).

Leia mais:
Bolsonaro e Haddad têm propostas antagônicas para direitos humanos
Bolsonaro não vai participar de debates com Haddad: 'quem discute com poste é bêbado'
Por temer por sua segurança, Bolsonaro justifica ausência em debate
Partidos pedem investigação de irregularidade na campanha de Bolsonaro